Meteorologia

  • 12 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 27º

Itália investiga recolha de dados sensíveis de políticos e personalidades

O Ministério Público italiano está a investigar a alegada recolha de dados sensíveis de dezenas de políticos e personalidades do país por parte de um polícia, investigado conjuntamente com um grupo que inclui um magistrado e jornalistas.

Itália investiga recolha de dados sensíveis de políticos e personalidades
Notícias ao Minuto

13:24 - 03/03/24 por Lusa

Mundo Itália

No centro do caso está Pasquale Striano, um agente da Guardia de Finanza (polícia fiscal) que trabalha atualmente na Procuradoria Nacional Anti-Máfia e que durante meses fez pelo menos 800 acessos irregulares à base de dados da instituição.

Segundo os meios de comunicação social, as suas buscas incluíram numerosos membros do atual Governo, como o ministro da Defesa Guido Crosetto - a partir de cuja denúncia começaram as investigações -, bem como o antigo primeiro-ministro Matteo Renzi e a última namorada de Silvio Berlusconi, Marta Fascina.

Mas há também personalidades do mundo do espetáculo, como o músico Fedez, marido de Chiara Ferragni, e homens de negócios.

O procurador da cidade de Perugia (centro), Raffaele Cantone, responsável pela investigação, está a tentar descobrir o que Striano fazia com as informações.

Por esta razão, para além do agente, está a investigar as acções de quinze outras pessoas, incluindo o procurador substituto da Direção Nacional Anti-Máfia, Antonio Laudati.

Ambos têm acesso ao "Sistema SOS", que recebe alertas de operações financeiras ou fiscais suspeitas.

Três jornalistas estão também a ser investigados, caso tenham tido acesso à informação, bem como o seu jornal, Domani, que denunciou num editorial o que considera "um ataque" do Ministério Público.

"Jornalistas do Domani sob investigação. Culpados de terem publicado notícias verdadeiras, documentadas e verificadas que, nalguns casos, contribuíram para a abertura de inquéritos sobre o financiamento ilícito de partidos e o roubo de fundos públicos", refere o jornal.

O partido de extrema-direita Liga, do atual vice-presidente do Governo, Matteo Salvini, lamentou que esta alegada conspiração "revele um quadro desconcertante".

"Estamos a assistir a um verdadeiro ataque à República e à democracia que envolve o poder judicial, a guarda fiscal e os jornais de esquerda", afirmou o partido, que exigiu que os responsáveis pela investigação compareçam perante a Comissão Parlamentar de Segurança da República.

Leia Também: "Apoiamo-nos uns aos outros". Biden elogia apoio firme de Meloni a Kyiv

Recomendados para si

;
Campo obrigatório