Meteorologia

  • 14 ABRIL 2024
Tempo
29º
MIN 18º MÁX 29º

Mais de 3 mil desfilaram na Marcha do Orgulho LGBTI da Cidade do Cabo

Mais de 3 mil pessoas desfilaram hoje na Marcha do Orgulho LGBTI anual da Cidade do Cabo, uma oportunidade para reafirmar África do Sul como um dos poucos países africanos a reconhecer os direitos destas pessoas.

Notícias ao Minuto

17:25 - 02/03/24 por Lusa

Mundo África do Sul

As milhares de pessoas foram lideradas por um grupo de motas com as cores do arco-íris e bandeiras e trajes multicoloridos, demonstrando, mais uma vez, o estatuto da Cidade do Cabo como a "capital LGBTI+" do continente africano.

Fazendo parte de um grupo de cristãos pró-LGBT+, Bonus Ndlovu, um sul-africano de 48 anos, quer combinar a sua fé com a sua homossexualidade: "Estou aqui porque sou eu próprio e acredito que Deus nos criou para sermos nós próprios".

Embora o casamento entre pessoas do mesmo sexo seja legal na África do Sul desde 2006 e a discriminação contra as minorias sexuais seja proibida pela Constituição progressista do país, a homossexualidade continua a ser ilegal em 30 países africanos e vários Estados aprovaram recentemente leis anti-LGBT+ rigorosas.

Na quarta-feira, o parlamento do Gana aprovou uma das leis mais severas do continente, o que suscitou uma forte condenação por parte da comunidade internacional.

"Os direitos dos homossexuais devem ser os mesmos na África do Sul, no Gana ou mesmo na Grécia", que legalizou recentemente o casamento entre pessoas do mesmo sexo, acrescentou.

Earl Semu, uma lésbica de 37 anos do Zimbabué, celebra a sua primeira marcha do Orgulho com o seu filho de 18 anos.

"Eu e os meus amigos fugimos do Zimbabué para podermos ser nós próprios, mas há muitos outros em África que enfrentam a mesma situação", disse à AFP, rodeada de amigos, todos refugiados e membros da ONG Safe Place International, que apoia pessoas LGBT+ marginalizadas.

Através desta organização, está em contacto com muitas pessoas que fugiram do Uganda, em particular.

"Estamos aqui para trazer as vozes daqueles que não podem estar connosco e que têm de ficar escondidos", diz. "Para dizer que somos humanos, africanos e homossexuais", acrescentou.

"Neste momento, parece haver uma nova onda de homofobia e movimentos populistas anti-LGBT" em África, lamentou Triven Bumstead, operador da bolsa de valores, de 35 anos, dizendo-se "triste por saber que os meus companheiros LGBTQ+ em África estão a ser perseguidos desta forma".

Continua a ser "perigoso" assumir-se como homossexual, mesmo na África do Sul, onde os direitos são protegidos, "e o acesso à segurança" deste ponto de vista "continua a ser desviado para pessoas privilegiadas, brancas e de classe alta", comentou Kathy Rudolph, de 32 anos.

Leia Também: Gana aprova lei que penaliza as práticas homossexuais com penas de prisão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório