Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 27º

Irão acusa EUA de aumentar instabilidade no Médio Oriente

O Irão acusou hoje os Estados Unidos e o Reino Unido de fomentarem a instabilidade no Médio Oriente com os ataques aos seus aliados Hutis do Iémen, considerando que as ações mostram apoio aos crimes de guerra de Israel.

Irão acusa EUA de aumentar instabilidade no Médio Oriente
Notícias ao Minuto

16:41 - 25/02/24 por Lusa

Mundo Irão

"Com estes ataques, os Estados Unidos e o Reino Unido procuram aumentar as tensões e a crise na região e expandir o âmbito da guerra e da instabilidade", afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Naser Kananí, num comunicado hoje divulgado.

O diplomata referiu ainda que os ataques de Washington e Londres contra os Hutis mostram o "total apoio aos crimes de guerra e ao genocídio do regime sionista [de Israel] em Gaza e na Cisjordânia".

Os Estados Unidos da América (EUA) e o Reino Unido bombardearam no dia 18 oito locais geridos pelos rebeldes Hutis no Iémen, na quarta operação conjunta dos dois países contra aquele grupo.

Os ataques surgem em resposta a um número crescente de ataques dos Hutis a vários navios, incluindo através do lançamento de mísseis contra um navio de carga britânico e um contratorpedeiro dos EUA no mar Vermelho, bem como contra a cidade costeira de Eilat, no sul de Israel.

Os Hutis alegam que os seus ataques no mar Vermelho são uma retaliação à ofensiva que Israel lançou na Faixa de Gaza após o ataque do grupo islamita palestiniano Hamas em 07 de outubro de 2023.

O grupo, que apoia o Hamas no conflito contra os israelitas, tem avisado que vai atacar todos os navios com destino a Israel que passarem pela sua costa, e os seus ataques já forçaram pelo menos cinco grandes empresas de transporte marítimo a utilizar outras rotas comerciais muito mais longas para proteger as tripulações, os navios e as mercadorias.

Teerão lidera o chamado Eixo da Resistência, uma aliança informal formada por organizações militantes como o Hezbollah, os rebeldes Hutis, o Hamas ou as milícias no Iraque.

Leia Também: Já morreram 31 mil soldados ucranianos na invasão russa, diz Zelensky

Recomendados para si

;
Campo obrigatório