Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 28º

PE e Comissão içam bandeira ucraniana para marcar "aniversário trágico"

A Comissão Europeia e o Parlamento Europeu substituíram as bandeiras dos países da União pelas da Ucrânia para assinalar o segundo aniversário da invasão russa e o apoio dos 27 pela soberania ucraniana e ambições europeias.

PE e Comissão içam bandeira ucraniana para marcar "aniversário trágico"
Notícias ao Minuto

16:13 - 23/02/24 por Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

Pelas 15h00 locais (14h00 em Lisboa), dois funcionários do Parlamento Europeu, em Bruxelas, começaram a retirar da fachada as bandeiras dos 27 países, incluindo Portugal, que hoje integram o bloco comunitário, substituindo-as por bandeiras da União Europeia e da Ucrânia, intercaladas.

O mesmo aconteceu em frente à Comissão Europeia para transmitir uma mensagem: dois anos depois do início da invasão russa a União Europeia está ao lado da Ucrânia, país que é candidato à adesão também há quase dois anos.

Em comunicado conjunto, divulgado pouco depois do momento simbólico em frente às instituições, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, e a do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, consideraram que no sábado vai ser assinalado um "aniversário trágico".

Fontes comunitárias confirmaram à Lusa que a presidente da Comissão Europeia vai estar em Kiev, capital da Ucrânia, no sábado, para assinalar o segundo aniversário da invasão russa, sem adiantar pormenores sobre o programa de Von der Leyen.

"[O segundo aniversário] da guerra de agressão contra a Ucrânia [...], dois anos de violência, brutalidade, terror e destruição. Nunca esqueceremos o choque inicial do ataque, o horror dos acontecimentos em Borodianka, Bucha, Mariupol", sustentaram.

Os líderes das três instituições políticas europeias acrescentaram que, "apesar das atrocidades que continuam e de todo o sofrimento causado" à população ucraniana, o país "continua firme".

"A população heroica da Ucrânia está a demonstrar determinação e força de espírito para defenderem a sua pátria e lutarem pela liberdade e os nossos valores europeus partilhados", reconheceram.

Insistindo que a Rússia e o seu Presidente, Vladimir Putin, são os responsáveis pelos efeitos, incluindo globais, desta guerra, Michel, Metsola e von der Leyen reiteraram o "apoio inequívoco" à Ucrânia e a responsabilização de Moscovo.

[Notícia atualizada às 16h37]

Leia Também: "Apoio à Ucrânia não vacila, assim como a pressão sobre o regime russo"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório