Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 27º

China estima que veto dos EUA torne situação em Gaza ainda mais perigosa

A China criticou hoje o veto americano a um projeto de resolução da ONU que exige um cessar-fogo humanitário imediato em Gaza, o que, segundo Pequim, torna a situação "ainda mais perigosa" no território.

China estima que veto dos EUA torne situação em Gaza ainda mais perigosa
Notícias ao Minuto

08:47 - 21/02/24 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

"Os Estados Unidos distinguiram-se mais uma vez por se oporem com o seu veto, tornando a situação em Gaza ainda mais perigosa. As partes envolvidas, incluindo a China, expressaram a sua forte deceção e insatisfação", disse durante um 'briefing' à imprensa, o porta-voz para a diplomacia chinesa, Mao Ning.

Os Estados Unidos vetaram na terça-feira um projeto de resolução proposto pela Argélia no Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) que exigia um cessar-fogo humanitário imediato em Gaza.

A resolução, que teve amplo apoio dos países árabes, recebeu 13 votos a favor, um voto contra (Estados Unidos) e uma abstenção (Reino Unido).

Trata-se da terceira vez que, desde o início da guerra, os Estados Unidos - um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e com poder de veto - bloqueiam uma resolução sobre Gaza.

A Faixa de Gaza está mergulhada numa situação humanitária catastrófica, na sequência dos ataques mortais israelitas.

Quase um milhão e meio de pessoas, segundo a ONU, estão concentradas na cidade de Rafah, localizada no sul do território palestiniano, junto à fronteira fechada com o Egito.

Foi neste contexto que os Estados Unidos vetaram o projeto de resolução proposto pela Argélia.

O veto norte-americano não apanhou o Conselho de Segurança da ONU de surpresa, uma vez que a embaixadora dos EUA, Linda Thomas-Greenfield, já havia anunciado no domingo que iria votar contra o texto da Argélia, argumentando que a proposta apoiada pelos países árabes poderia interferir nas negociações em prol de um acordo pela libertação de todos os reféns detidos pelo movimento islamita palestiniano Hamas.

Estas negociações, especificou, estão a ser levadas a cabo pelo seu país, juntamente com o Egito e o Qatar, e incluem ainda uma pausa de seis semanas nos combates.

A embaixadora norte-americana justificou o seu veto com o argumento de que o texto da Argélia "colocava em risco as delicadas negociações" em curso, considerando ainda que proceder à votação foi um ato "irresponsável".

O veto americano "irresponsável e perigoso" envia a mensagem de que Israel pode "continuar a fazer qualquer coisa impunemente", criticou, por seu lado, o embaixador palestiniano, Riyad Mansour.

Também numa reação ao veto norte-americano, o movimento islamita Hamas considerou a posição dos EUA como uma "luz verde" para Israel realizar mais "massacres".

"A posição americana é um sinal verde para a ocupação [israelita] cometer mais massacres (...). Isto só aumentará o sofrimento do nosso povo", afirmou o movimento islamita palestiniano num comunicado.

Leia Também: Israel abre secções de voto em Gaza para militares votarem nas municipais

Recomendados para si

;
Campo obrigatório