Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 26º

Papa pede o fim dos ataques contra civis e da perseguição a cristãos

O Papa pediu o fim dos ataques a civis nos conflitos mundiais, incluindo em Gaza e na Ucrânia, sublinhando que tais atos são crimes de guerra, apelando ainda ao fim das perseguições aos cristãos.

Papa pede o fim dos ataques contra civis e da perseguição a cristãos
Notícias ao Minuto

12:32 - 08/01/24 por Lusa

Mundo Vaticano

"As guerras modernas já não acontecem apenas em campos de batalha demarcados, nem dizem respeito apenas aos soldados", disse Francisco durante a audiência de Ano Novo com os membros do corpo diplomático acreditado junto ao Vaticano.

"Numa situação em que a distinção entre objetivos militares e civis já não parece ser observada, não existe conflito que não acabe de alguma forma por afetar indiscriminadamente a população civil", avaliou Francisco.

O Papa referiu que os "eventos na Ucrânia e em Gaza são uma prova clara disso".

"Não devemos esquecer que as violações graves do direito internacional humanitário são crimes de guerra e que não as basta as identificar, é necessário também as prevenir", indicou.

"O que é necessário, portanto, é um maior compromisso da comunidade internacional para salvaguardar e implementar o direito humanitário, que parece ser a única forma de proteger a dignidade humana em situações de guerra. Mesmo quando se trata de exercer o direito de legítima defesa, é essencial aderir ao uso proporcional da força", reforçou o Papa.

O Papa também repetiu o seu apelo ao cessar-fogo em Gaza e à libertação dos reféns feitos pelo Hamas nos ataques de 07 de outubro a Israel.

"Reitero o meu apelo a todas as partes envolvidas para um cessar-fogo em todas as frentes, incluindo o Líbano, e para a libertação imediata de todos os reféns em Gaza", disse.

"Peço que a população palestiniana receba ajuda humanitária e que os hospitais, escolas e locais de culto tenham toda a proteção necessária", acrescentou.

"Espero que a comunidade internacional procure resolutamente a solução de dois Estados, um israelita e um palestiniano, bem como um estatuto especial garantido internacionalmente para a cidade de Jerusalém, para que israelitas e palestinianos possam finalmente viver em paz e segurança", declarou.

Francisco apelou ao fim do antissemitismo e da perseguição aos cristãos.

"O aumento dos atos de antissemitismo nos últimos meses é particularmente preocupante", afirmou o Papa.

"Reafirmo mais uma vez que este flagelo deve ser erradicado da sociedade, sobretudo através da educação à fraternidade e ao acolhimento do outro", sublinhou.

O Papa também expressou preocupação com o "crescimento da perseguição e da discriminação contra os cristãos, especialmente nos últimos dez anos".

Francisco avaliou que esta situação "não raramente diz respeito aos fenómenos de marginalização e exclusão gradual da vida política e social e do exercício de certas religiões que ocorrem mesmo em terras tradicionalmente cristãs".

"No geral, mais de 360 milhões de cristãos em todo o mundo sofrem um elevado nível de perseguição e discriminação por causa da sua fé, e um número crescente é forçado a fugir das suas terras natais", acrescentou.

Francisco insistiu que "o caminho para a paz passa também pelo diálogo inter-religioso, que requer sobretudo a proteção da liberdade religiosa e o respeito pelas minorias".

Leia Também: Conselheiro do Papa diz que Igreja devia permitir que padres se casem

Recomendados para si

;
Campo obrigatório