Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 15º

Eleição de Trump poderá ser "dramática para a União Europeia e o mundo"

Os investigadores checo Martin Hála e português Jorge Tavares da Silva defenderam hoje que uma eventual eleição de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas poderá ter consequências desastrosas para a União Europeia e o resto do mundo.

Eleição de Trump poderá ser "dramática para a União Europeia e o mundo"
Notícias ao Minuto

15:30 - 11/12/23 por Lusa

Mundo Análise

Numa videoconferência sobre "As mudanças na relação estratégica Europa - China", organizada pelo Instituto da Defesa Nacional, admitiram que um segundo mandato de Trump poderá ser ainda mais dramático do que o primeiro (2017-2021).

Martin Hála disse que um dos maiores contributos do atual Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, foi ter feito Washington regressar à política de alianças, depois de Trump ter lidado sozinho com países como a República Popular da China (RPC).

"Os Estados Unidos da América [EUA] já não têm o poder de gerir sozinhos as relações com a RPC", afirmou, citando as mudanças dramáticas no equilíbrio militar ocorridas na última década como uma das razões.

Jorge Tavares da Silva destacou o ambiente em que poderá decorrer a eleição presidencial nos EUA, com a guerra russa contra a Ucrânia e o conflito no Médio Oriente.

Caso seja eleito, um apoio de Trump à Rússia minaria a relação dos EUA com a União Europeia (UE) e uma eventual vitória russa na guerra criaria dificuldades na integração europeia da Ucrânia.

"Será muito dramático para a União Europeia e também, obviamente, para o mundo", defendeu.

Outra preocupação nas relações entre a UE e a RPC é a questão de Taiwan, a ilha autónoma que Pequim reclama ser sua e ameaça tomar pela força se os taiwaneses declararem a independência.

Taiwan é o maior produtor de circuitos integrados, e os mais sofisticados, que são fundamentais para a tecnologia do dia a dia no mundo.

Hála disse que para muitas pessoas, Taiwan é o local mais perigoso do mundo, onde se joga um confronto entre a China e o resto do mundo.

Defendeu tratar-se de um conflito "que tem realmente de ser gerido com o maior cuidado", porque tem o potencial de ser mais prejudicial do que a guerra na Ucrânia.

Considerou, por isso, que o mais importante será tentar manter o 'status quo' por mais 50 anos, em que a China e Taiwan possam coexistir como até agora.

Jorge Tavares da Silva colocou a relação da UE-Taiwan no meio do conflito tecnológico entre a RPC e os EUA, que afeta o modo como os europeus lidam com a questão.

Considerou também que a China está numa situação de 'low-profile' diplomático, na expectativa das eleições em Taiwan em janeiro e também nas presidenciais norte-americanas, agendadas para novembro de 2024.

"A dinâmica política é muito importante para a China e os chineses estão à espera do novo ano. Os desenvolvimentos futuros dependerão destas questões", disse.

Sobre o futuro das relações UE-RPC, Martin Hála disse que, após um período de otimismo que durou 15 anos, a pandemia e o apoio chinês à Rússia deixaram marcas.

"Toda a relação está ainda à procura de um chão", afirmou, defendendo que os europeus devem ser mais realistas em relação à China.

Jorge Tavares da Silva disse que a maior parte da relação UE-China se baseia no comércio e investimento bilateral, temas a que "estão associadas as questões geopolíticas e de segurança, e a política externa".

Destacou a cooperação nas alterações climáticas, mas referiu as grandes divergências em matéria de direitos humanos.

Lembrou que a Comissão Europeia criticou países como a Itália "por se alinharem demasiado estreitamente" com a iniciativa chinesa "Uma Cintura e uma Rota".

A iniciativa "promove o comércio chinês através de infraestruturas que atravessam a Ásia e chegam à Europa, mas tem também interesses geopolíticos muito importantes", afirmou.

Referiu, tal como Hála, que a cimeira UE-China da semana passada não teve resultados e admitiu "as relações dominantes da China são, de facto, com os Estados Unidos e com o Sul global".

Considerou ainda que um dos problemas da UE é a multiplicidade de vozes e admitiu que Alemanha e França "são mais importantes para a China do que a UE em geral".

Leia Também: Trump não vai testemunhar segunda-feira no julgamento por fraude fiscal

Recomendados para si

;
Campo obrigatório