Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 15º

Líder parlamento guineense convoca sessão plenária para quarta-feira

O presidente do parlamento guineense, Domingos Simões Pereira, convocou para quarta-feira, 13, a sessão plenária do órgão atualmente dissolvido por ordens do Presidente do país, refere um comunicado do órgão a que a Lusa teve acesso.

Líder parlamento guineense convoca sessão plenária para quarta-feira
Notícias ao Minuto

09:19 - 10/12/23 por Lusa

Mundo Simões Pereira

No documento, Simões Pereira convoca os deputados para comparecerem no parlamento para que a sessão plenária, interrompida no passado dia 04, possa ser retomada e ainda exorta o Governo a garantir as condições de inviolabilidade do espaço, conforme o regimento.

No passado dia 4, a sessão plenária foi interrompida quando foi anunciada por um decreto do Presidente guineense, Umaro Sissoco Embalo, a dissolução do parlamento.

O Presidente evocou a existência de uma grave crise institucional no país em decorrência de confrontos armados entre elementos da Guarda Nacional e as Forças Armadas, dias antes, situação que Sissoco Embalo considerou tratar-se de uma tentativa de golpe de Estado.

O chefe de Estado guineense responsabilizou o parlamento pela crise institucional e disse ter tomado a decisão de a dissolver para "evitar que o país entre numa nova guerra civil cozinhada" naquela instituição.

Desde o dia em que foi anunciada a dissolução do parlamento, o líder do órgão, Domingos Simões Pereira tem repetido que aquela decisão do chefe do Estado não tem força jurídica à luz da Constituição da Guiné-Bissau.

O artigo 94 da Constituição guineense diz que o parlamento não pode ser dissolvido num prazo de 12 meses após as eleições legislativas, lembra Simões Pereira, salientando que o último ato eleitoral ocorreu no dia 04 de junho.

As instalações do parlamento em Bissau encontram-se ocupadas, desde o dia 04, por forças de segurança que Pereira diz serem desconhecidas dos seus serviços à luz da lei guineense.

Em entrevistas aos órgãos de comunicação social, o presidente do parlamento afirma que se os deputados forem impedidos de aceder às instalações na quarta-feira a situação configurará "um efetivo golpe institucional por parte de militares".

Na sua nota de convocação da retoma da sessão na quarta-feira, Domingos Simões Pereira exorta o Governo a repor o corpo de segurança que a lei diz que deve estar sob as orientações do presidente do parlamento.

Com a dissolução do parlamento, o Presidente guineense informou que o Governo liderado pelo primeiro-ministro, Geraldo Martins, fica em gestão até à formação de um novo executivo que prometeu para esta semana.

Leia Também: Sissoco Embaló defende que ninguém terá imunidade nos casos de corrupção

Recomendados para si

;
Campo obrigatório