Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
15º
MIN 9º MÁX 16º

Supremo do Colorado cético sobre capacidade de excluir Trump das eleições

O Supremo Tribunal do Colorado questionou esta quarta-feira se é possível excluir Donald Trump das próximas eleições, num processo que aponta a cláusula de insurreição da Constituição norte-americana como impedimento para nova candidatura do ex-presidente à Casa Branca.

Supremo do Colorado cético sobre capacidade de excluir Trump das eleições
Notícias ao Minuto

06:29 - 07/12/23 por Lusa

Mundo Eleições EUA

Denver, Estados Unidos, 07 dez 2023 (Lusa) -- O Supremo Tribunal do Colorado questionou esta quarta-feira se é possível excluir Donald Trump das próximas eleições, num processo que aponta a cláusula de insurreição da Constituição norte-americana como impedimento para nova candidatura do ex-presidente à Casa Branca.

Em causa está a própria formulação da cláusula da era da Guerra Civil, sobre se os tribunais têm o direito de intervir nesta fase, visto que Trump cumpriu os requisitos básicos para aparecer nas eleições primárias do Colorado em 2024, e se Trump realmente incitou uma insurreição quando os seus apoiantes invadiram violentamente o Capitólio dos EUA, em 06 de janeiro de 2021.

A linguagem presente na Secção 3 da 14.ª Emenda tem sido examinada devido à forma como define quem está impedido de ocupar cargos se tiver "envolvido em insurreição ou rebelião".

Embora se refira à Câmara e ao Senado dos EUA, não se refere especificamente ao presidente, mas sim "eleitor do presidente e vice-presidente", juntamente com cargos civis e militares.

"Se era tão importante que o presidente fosse incluído, volto à questão: por que não explicitar?", questionou o juiz Carlos A. Samour Jr.

Jason Murray, advogado dos requerentes, argumentou que a cláusula "se aplica a qualquer cargo", incluindo a presidência.

O advogado citou um dicionário jurídico da época e trocas entre legisladores que debatiam a emenda na altura, para enfatizar o seu ponto de vista.

A troca de argumentos ocorre depois de ambos os lados terem recorrido de uma decisão no mês passado de uma juíza distrital de Denver, que concluiu que, embora Trump se tenha envolvido na insurreição ao incitar o ataque violento, a Secção 3 da 14.ª Emenda não se aplica ao cargo de presidente, o que lhe permite ser candidato.

O grupo liberal, Cidadãos pela Ética e Responsabilidade em Washington, que apresentou a queixa, recorreu da decisão ao tribunal superior do Estado.

Trump também recorreu de uma parte diferente da decisão -- a conclusão do juiz sobre a sua culpabilidade no ataque ao Capitólio -- e se um juiz do tribunal estadual pode interpretar legalmente o significado das duas frases um tanto obscuras da cláusula.

A disposição foi adicionada à Constituição para impedir que os ex-confederados regressassem aos seus cargos governamentais após a Guerra Civil.

Dezenas de ações judiciais que tentam impedir que Trump concorra novamente à presidência foram movidas em todo o país este ano.

Embora nenhum tenha obtido sucesso, o caso do Colorado é visto pelos juristas como um dos mais significativos.

Chegou mais perto de atingir seu objetivo, pois a juíza do tribunal distrital, Sarah B. Wallace, disse que as ações de Trump atendiam à definição de envolvimento numa insurreição.

Qualquer decisão do Supremo Tribunal do Colorado, cujos sete juízes foram nomeados pelos democratas, será alvo de recurso para o Supremo Tribunal dos EUA, a mais alta instância judicial do país que nunca se pronunciou sobre a Secção 3.

Leia Também: Sem Trump "não sei se me candidataria" em 2024, admite Biden

Recomendados para si

;
Campo obrigatório