Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 16º

Inquérito à pandemia. Boris lamenta perda de vidas (mas é interrompido)

O ex-governante foi interrompido por um grupo de manifestantes durante o inquérito à gestão da pandemia no Reino Unido.

Inquérito à pandemia. Boris lamenta perda de vidas (mas é interrompido)
Notícias ao Minuto

12:04 - 06/12/23 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Reino Unido

O antigo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, lamentou, esta quarta-feira, "a dor, perda e sofrimento" causadas pela Covid-19, mas foi interrompido por manifestantes durante o inquérito à gestão da pandemia no país.

"Posso dizer que compreendo os sentimentos das vítimas e das suas famílias e lamento profundamente a dor, a perda e o sofrimento dessas vítimas e das suas famílias", disse o britânico, citado pela Sky News.

Durante o seu discurso, o ex-governante foi interrompido por um grupo de manifestantes e a presidente do inquérito, Heather Hallett, teve de intervir. "Por favor, sentem-se. Por favor, sentem-se ou temo que terão de ir embora", disse a responsável.

Segundo a Sky News, quatro pessoas foram escoltadas para fora da sala e um dos manifestantes tinha um cartaz onde se lia: "Os mortos não conseguem ouvir as suas desculpas".

Johnson chegou ao local do inquérito muito cedo, várias horas antes da hora prevista para depor, evitando um protesto de familiares das vítimas à porta do edifício na capital britânica.

Questionado sobre se considera que algum dos seus erros era evitável, Johnson sublinhou: "Em retrospetiva, há muitas coisas que poderíamos ter feito de forma diferente".

"Inevitavelmente, no decurso da tentativa de lidar com uma pandemia muito, muito difícil, em que tivemos de contrabalançar efeitos nocivos para ambos os lados da decisão, podemos ter cometido erros", reconheceu. 

"Inevitavelmente, enganámos-nos em algumas coisas. Penso que, na altura, estávamos a fazer o nosso melhor", acrescentou.

Boris Johnson renunciou ao cargo em meados de 2022, após múltiplos escândalos éticos, incluindo a revelação de que ele e membros da sua equipa organizaram festas na residência oficial do primeiro-ministro em Downing Street em 2020 e 2021, desrespeitando as restrições de confinamento impostas pelo Governo.

Nas últimas semanas, antigos colegas e assessores retrataram a administração de Johnson de forma negativa, nomeadamente sobre a indecisão sobre a tomada de medidas e o atraso dos confinamentos. Mensagens escritas partilhadas na altura aludem a um ambiente de trabalho tóxico e machista. 

O Reino Unido registou um dos números mais elevados de mortes de covid-19 na Europa, mais de 232.000 pessoas, de acordo com as estatísticas oficiais.

Johnson concordou no final de 2021 em realizar um inquérito público após forte pressão das famílias enlutadas, liderado pela juíza aposentada Heather Hallett, o qual deverá levar três anos para ser concluído, embora relatórios provisórios sejam esperados a partir do próximo ano.

O inquérito está dividido em quatro fases, estando a fase atual centrada na tomada de decisões políticas. A primeira fase, que terminou em julho, analisou o grau de preparação do país para a pandemia.

Johnson não entregou cerca de 5.000 mensagens WhatsApp ao longo de várias semanas importantes entre fevereiro e junho de 2020, alegando problemas técnicos.

"Não retirei nenhuma mensagem do meu telemóvel", garantiu.

[Notícia atualizada às 13h04]

Leia Também: Boris Johnson ouvido hoje no inquérito britânico à gestão da pandemia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório