Meteorologia

  • 16 ABRIL 2024
Tempo
26º
MIN 13º MÁX 26º

Antigo embaixador dos EUA acusado de ser agente de Cuba

Acusado de espionagem contra os Estados Unidos, Manuel Rocha foi diplomata durante 25 anos e chegou a ser embaixador na Bolívia e na Argentina, tendo trabalhado em Cuba durante a Guerra Fria.

Antigo embaixador dos EUA acusado de ser agente de Cuba
Notícias ao Minuto

09:09 - 04/12/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Cuba

Um antigo embaixador norte-americano e diplomata por toda a América Latina foi detido em Miami após uma longa investigação da polícia federal de investigação (FBI, na sigla em inglês), tendo sido acusado na sexta-feira pelas autoridades de ser um agente do governo cubano e de ajudar o regime de Havana com a sua experiência e relações internacionais.

Os detalhes da acusação contra Manuel Rocha, de 73 anos, serão conhecidos esta segunda-feira, mas a Associated Press avançou, junto de fontes do Departamento de Justiça, que Rocha foi detido por suspeitas de colaboração com os cubanos, sendo que oferecer consultoria política a outro país tem de ser declarado nos EUA.

Rocha é um diplomata de longa data, tendo trabalhado um pouco por toda a América Latina na sua carreira de 25 anos. O norte-americano, de origem colombiana, começou o seu percurso diplomático em 1981, ainda durante a Guerra Fria, e chegou a trabalhar em Cuba numa altura em que as relações entre Washington e Fidel Castro não eram as melhores, especialmente na altura da queda da União Soviética.

Rocha foi ainda embaixador na Argentina, entre 1997 e 2000, quando um programa económica dos EUA para apoiar a economia em estagnação do país estava a colapsar devido à dívida esmagadora argentina - e o país acabou por assistir a uma crise política que 'mastigou' cinco presidentes no espaço de duas semanas.

Mas o seu cargo mais mediático foi na Bolívia, onde Manuel Rocha também foi embaixador e acabou por tentar influenciar as eleições presidenciais de 2002. Nessa altura, o diplomata fez uma ameaça aberta aos bolívares, avisando que, se elegessem o socialista Evo Morales, os EUA iam repensar os seus apoios ao país extremamente empobrecido - um discurso que irritou o eleitorado e deu força a Morales, que acabou por ser eleito três anos depois e expulsou o embaixador por incitar a "guerra civil".

Rocha também trabalhou nas Honduras, no México, na República Dominicana e ainda em Itália, voltando para Washington D.C. para trabalhar como conselheiro sobre América Latina no conselho de segurança interna dos EUA. 

As autoridades norte-americanas não acrescentaram quaisquer informações sobre o âmbito da investigação a Rocha nem comentaram a gravidade do alegado trabalho de espionagem para Cuba, apesar do extenso currículo do ex-embaixador.

Leia Também: Cuba e Venezuela? "Sanções e bloqueios [dos EUA] não podem ser mantidos"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório