Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Israel volta a chamar embaixadora de Espanha por declarações de Sánchez

O Governo de Israel chamou hoje a embaixadora de Espanha em Telavive para lhe transmitir "uma advertência", pela segunda vez numa semana, por causa de declarações do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, sobre a guerra na Faixa de Gaza.

Israel volta a chamar embaixadora de Espanha por declarações de Sánchez
Notícias ao Minuto

15:07 - 30/11/23 por Lusa

Mundo Isabel Figueira

A embaixadora Ana Sálomon Pérez foi chamada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros israelenses, Eli Cohen, para "uma conversa de advertência" por causa de uma "declaração vergonhosa" de Sánchez "no dia em que os terroristas do Hamas estão a matar em Jerusalém" , segundo um comunicado do Governo de Telavive, citado pelos meios de comunicação social em Espanha.

Segundo o mesmo comunicado, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que tentou a convocatória da embaixadora.

Numa entrevista hoje à televisão pública espanhola (TVE), Pedro Sánchez disse ter "francas dúvidas" de que Israel esteja a respeitar o Direito Internacional na explosão militar na Faixa de Gaza com que está a responder ao ataque de 07 de outubro do grupo islâmico Hamas , que controla este território palestino.

Na operação militar de Israel já morreram cerca de 15 mil pessoas em Gaza e Telavive mantém cercado este território, condicionando a entrada de ajuda humanitária e abastecimento.

“Com as imagens que estamos a ver e o número crescente, sobretudo de meninos e meninas, que estão a morrer, tenho francas dúvidas de que [Israel] esteja a respeito do Direito Internacional humanitário”, disse Sánchez, que nestes termos que “não é aceitável "O que está a acontecer em Gaza.

O primeiro-ministro espanhol disse que a relação de Espanha com Israel é "correta" e que "os países amigos também têm de dizer as coisas que são verdade".

Na semana passada, o Governo de Israel chamou os embaixadores de Espanha e Bélgica para se queixarem de declarações que estes eram de "apoio ao terrorismo" dos primeiros-ministros.

Pedro Sánchez e Alexander de Croo, líderes dos Governos dos países que têm a atual e a próxima presidência semestral do Conselho da União Europeia (UE), fizeram na semana passada uma deslocação, em conjunto, ao Médio Oriente.

Numa conferência de imprensa no Egito, na fronteira com Gaza, Sánchez e de Croo condenaram o ataque do Hamas a Israel e pediram a libertação dos reféns israelenses por parte do grupo islâmico, mas criticaram Telavive pelo desrespeito pelo Direito Internacional e a morte de "demasiados civis "palestinos.

“Penso firmemente que temos de fazer um apelo a Israel para que cumpra com as suas obrigações em matéria de Direito Internacional”, disse Pedro Sánchez, que usa expressões como “matança indiscriminada de civis inocentes” em Gaza ou “resposta não justa” por parte de Israel ao ataque terrorista do Hamas de 07 de outubro.

O primeiro-ministro belga, por sua vez, disse que foi à região com Sánchez com uma “mensagem de solidariedade e de humanidade”, afirmou que do outro lado da fronteira onde se encontravam, no território palestino, “perderam a vidas demasiado civis” e atualmente que “a destruição de Gaza é inaceitável”.

Leia Também: Sánchez lança "sérias dúvidas" sobre Israel e reabre crise entre países

Recomendados para si

;
Campo obrigatório