Meteorologia

  • 26 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 23º

Entrada em vigor da trégua Israel-Hamas será anunciada em breve

A entrada em vigor da trégua de quatro dias nos combates entre Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas será anunciada nas próximas horas, garantiu hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Qatar.

Entrada em vigor da trégua Israel-Hamas será anunciada em breve
Notícias ao Minuto

07:26 - 23/11/23 por Lusa

Mundo Qatar

Num comunicado, o porta-voz do ministério, Majid bin Mohamed al Ansari, disse que as conversações estão a progredir "positivamente" entre o Qatar e o Egito, ambos mediadores da trégua, que prevê a libertação de reféns detidos pelo Hamas.

O comunicado, citado pela agência de notícias catari QNA, referiu que o Qatar, o Egito e os Estados Unidos continuam a trabalhar para "garantir o rápido início da trégua" e assegurar que tanto Israel como o Hamas a respeitam.

A posição do Qatar surge horas depois do conselheiro de segurança nacional de Israel garantir, na quarta-feira, que a libertação de reféns detidos na Faixa de Gaza e o início da trégua, previstos para esta manhã, não acontecerão antes de sexta-feira.

Tzachi Hanegbi sublinhou que as negociações ainda decorrem e não deu mais explicações para o atraso na troca de reféns por prisioneiros palestinianos, cuja lista já foi divulgada oficialmente pelas autoridades israelitas.

Um responsável palestiniano admitiu hoje à agência de notícias France-Presse que o início da trégua na Faixa de Gaza foi adiado devido a discussões de "última hora" sobre os "nomes dos reféns israelitas e os termos de sua entrega" a terceiros.

"O Qatar, em coordenação com os egípcios e os norte-americanos, deve anunciar nas próximas horas" o horário de início da trégua, confirmou o responsável, cujo nome não foi revelado pela agência.

O acordo com o Hamas implica, segundo o Governo israelita, a libertação no prazo de quatro dias de pelo menos 50 dos cerca de 240 reféns feitos pelo grupo islamita no dia em que atacou Israel, em 07 de outubro.

Por seu lado, Israel libertará alguns prisioneiros palestinianos, maioritariamente adolescentes.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, adiantou na quarta-feira ter avisado o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que prosseguirá com a guerra depois de o período de "trégua humanitária" expirar.

Um ataque de surpresa e de grande dimensão foi lançado, em 07 de outubro, pelo Hamas contra Israel, provocando, de acordo com as autoridades israelitas, mais de 1.200 mortos e 240 reféns.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e é classificado como terrorista pela União Europeia e pelos Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo em Gaza e impondo um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

A retaliação israelita já matou, segundo o Hamas, mais de 14 mil mortos.

A ONU indicou que mais de dois terços dos 2,4 milhões de habitantes da Faixa de Gaza foram deslocados pela guerra, tendo a maior parte fugido para sul.

Leia Também: Jordânia diz que trégua deve ser "um passo para cessação total da guerra"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório