Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 16º

Kara-Mourza já está numa prisão na Sibéria para cumprir pena de 25 anos

O opositor russo Vladimir Kara-Mourza, condenado a 25 anos de prisão por "traição" e por ter denunciado a ofensiva militar na Ucrânia, chegou hoje a uma colónia penal de alta segurança em Omsk, na Sibéria, onde irá cumprir a pena.

Kara-Mourza já está numa prisão na Sibéria para cumprir pena de 25 anos
Notícias ao Minuto

16:32 - 24/09/23 por Lusa

Mundo Rússia

Segundo o advogado, Kara-Mourza, um dos principais críticos do Presidente russo, Vladimir Putin, e detentor de cidadania britânica, foi condenado a uma pena "particularmente severa" em abril, o que levou as capitais ocidentais a exigir a respetiva libertação.

"Vladimir Kara-Mourza foi levado para a colónia penal de alta segurança IK-6 em Omsk para cumprir a sua pena", declarou o seu advogado Vadim Prokhorov na rede social Facebook.

Segundo Prokhorov, o opositor foi "imediatamente colocado numa cela de isolamento".

Omsk, cidade com mais de um milhão de habitantes, fica a cerca de 2.700 quilómetros a leste de Moscovo.

Os prisioneiros que cumprem longas penas no sistema prisional russo são frequentemente enviados para povoações remotas e demoram semanas a chegar lá, com paragens em várias prisões do vasto país.

"A viagem de Moscovo a Omsk, no século XXI, demorou nada mais nada menos do que três semanas", ironizou Prokhorov, acrescentando que o opositor foi mantido durante "vários dias" numa cela de isolamento na cidade de Samara, no centro da Rússia.

As pessoas próximas de Vladimir Kara-Mourza estão preocupadas com a frágil saúde do opositor, uma vez que este sofre de uma doença nervosa chamada polineuropatia, provocada por duas tentativas de o envenenar.

Vladimir Kara-Mourza foi considerado culpado de divulgar "informações falsas" sobre o exército russo e sobre a invasão militar da Ucrânia, bem como de ter ligações a uma "organização indesejável", após um julgamento realizado à porta fechada.

Esta é a sentença mais pesada proferida nos últimos anos contra um importante opositor do Kremlin.

Desde o início da ofensiva russa na Ucrânia, quase todas as figuras da oposição foram presas ou fugiram do país.

Milhares de russos comuns também foram julgados e detidos por se oporem ao conflito e, por vezes, condenados a longas penas de prisão.

Leia Também: Conselho da Europa exige "libertação sem demoras" de Alexei Navalny

Recomendados para si

;
Campo obrigatório