Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Protestos contra Governo continuam na capital da Arménia

Manifestantes antigovernamentais saíram hoje às ruas de Erevan pelo terceiro dia consecutivo para protestar contra a forma como o Governo da Arménia tem lidado com a crise em Nagorno-Karabakh, noticiou a agência francesa AFP.

Protestos contra Governo continuam na capital da Arménia
Notícias ao Minuto

10:44 - 22/09/23 por Lusa

Mundo Nagorno-Karabakh

Pequenos grupos de manifestantes bloquearam ruas na capital arménia, ameaçando impedir a reunião do gabinete do primeiro-ministro, Nikol Pachinian, prevista para o final do dia.

A polícia prendeu um dos organizadores da manifestação, Andranik Tevanian, da oposição, de acordo com imagens transmitidas por um canal de televisão local.

A contestação começou na terça-feira, depois de o exército do Azerbaijão ter lançado um ataque à região separatista de Nagorno-Karabakh, com uma população maioritariamente arménia.

Os separatistas capitularam 24 horas depois, face à desproporção de forças e à falta de ajuda da Arménia.

Com mediação da Rússia, que mantém uma força de manutenção da paz em Nagorno-Karabakh desde 2020, representantes dos separatistas e de Baku iniciaram negociações na quinta-feira sobre a reintegração do território secessionista no Azerbaijão.

A vitória-relâmpago do Azerbaijão desencadeou grandes manifestações antigovernamentais em Erevan.

Os partidos da oposição acusaram o primeiro-ministro de fazer demasiadas concessões a Baku e pediram a demissão do Governo.

Os líderes da oposição anunciaram a intenção de iniciar um processo parlamentar que force a demissão de Nikol Pachinian.

Os manifestantes pediram também ao Governo que tomasse medidas para ajudar os mais de 100 mil arménios retidos em Nagorno-Karabakh, nomeadamente para que possam viajar para a Arménia.

Pachinian disse hoje que estavam a ser feitos preparativos para acolher cerca de 40 mil refugiados.

O principal objetivo é "garantir que os nossos compatriotas tenham a oportunidade de viver nas suas casas sem medo e em segurança", afirmou, segundo a AFP.

"Há esperança de que a situação humanitária possa melhorar" em Nagorno-Karabakh, disse, acrescentando que a situação está a "evoluir rapidamente".

A agência oficial do Azerbaijão, Azertag, noticiou que Baku enviou 40 toneladas de ajuda para a região e que o presidente Ilham Aliev prometeu que serão garantidos os direitos dos arménios que vivem no território.

Pachinian tem sido contestado desde a guerra de 2020, que permitiu a Baku recuperar o controlo de parte da autoproclamada República de Nagorno-Karabakh, um território no sul do Cáucaso reconhecido como integrante do Azerbaijão, mas disputado pela Arménia.

Dezenas de manifestantes foram detidos em Erevan na quarta e na quinta-feira quando tentaram forçar a entrada no edifício onde trabalha o primeiro-ministro.

A polícia de choque avisou que iria tomar "medidas especiais" se a violência continuasse.

Na quinta-feira à noite, Pachinian avisou que o Governo "atuará com firmeza, mas de acordo com a lei" contra quaisquer desordeiros.

Leia Também: Nagorno-Karabakh. Arménia critica fracasso de forças de paz russas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório