Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 29º

"Guerra híbrida"? Letónia reforça militares na fronteira com Bielorrússia

As autoridades da Letónia anunciaram hoje o reforço do número de guardas de fronteira e o envio de unidades das forças armadas para a fronteira com a Bielorrússia, devido à crescente ameaça de "guerra híbrida", com a entrada irregular de migrantes.

"Guerra híbrida"? Letónia reforça militares na fronteira com Bielorrússia
Notícias ao Minuto

21:37 - 15/08/23 por Lusa

Mundo Letónia

A Guarda Fronteiriça do Estado informou em comunicado a "mobilização de guardas fronteiriços adicionais em serviço para reforço da proteção da fronteira externa", bem como a suspensão de licenças e férias dos elementos.

Por outro lado, o Ministério da Defesa declarou que a sua titular, Inara Murniece, deu instruções às Forças Armadas Nacionais para enviar tropas para apoiar a guarda de fronteira no seu trabalho de defesa da fronteira com a Bielorrússia.

Estas medidas foram anunciadas depois de as autoridades do país báltico terem afirmado que tinham intercetado 96 pessoas que tentaram entrar na Letónia de forma irregular a partir da Bielorrússia na noite de segunda para terça-feira.

Este é um dos números mais altos dos últimos meses, segundo os media locais.

Este ano, 5.799 migrantes foram impedidos de entrar na fronteira da Letónia com a Bielorrússia, enquanto 292 foram admitidos no país báltico por razões humanitárias. O número já supera os 5.286 intercetados em todo o ano de 2022.

O termo "guerra híbrida" é usado pelos governos dos países bálticos e por analistas de segurança numa referência à estratégia da Bielorrússia de atrair migrantes, principalmente do Médio Oriente, e depois pressioná-los a cruzar as fronteiras para os países adjacentes europeus, Letónia, Lituânia e Polónia.

Leia Também: Letónia acusa Bielorrússia de facilitar entrada ilegal de migrantes

Recomendados para si

;
Campo obrigatório