Meteorologia

  • 26 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 23º

Letónia acusa Bielorrússia de facilitar entrada ilegal de migrantes

O Serviço de Fronteiras da Letónia acusou hoje as autoridades bielorrussas de terem facilitado no domingo a entrada ilegal de migrantes em território letão, adiantando que vedações entre os países terão sido destruídas para permitir a passagem.

Letónia acusa Bielorrússia de facilitar entrada ilegal de migrantes
Notícias ao Minuto

15:30 - 07/08/23 por Lusa

Mundo Migrações

Vários agentes da guarda de fronteira bielorrussa cortaram um troço da cerca entre os dois países para que estas pessoas pudessem atravessar para a Letónia. Posteriormente, os agentes bielorrussos consertaram a vedação para impedir o retorno dos migrantes, segundo o portal de notícias báltico Delfi.

No entanto, os migrantes foram detidos e devolvidos pelas autoridades letãs à Bielorrússia, conforme estabelecido pelo decreto de emergência do Governo de Riga, em vigor desde agosto de 2021, para lidar com a crise migratória.

Não é a primeira vez que a Letónia alerta para as alegadas provocações vindas da Bielorrússia. As autoridades bielorrussas são acusadas de utilizarem a migração como arma para desestabilizar a região.

Na semana passada, os outros dois países afetados por estas alegadas manobras de Minsk, a Polónia e a Lituânia, reuniram-se para tratar de questões e problemas comuns de segurança, chegando mesmo, no caso de Vilnius, a levantar a possibilidade de encerrar totalmente a sua fronteira com a Bielorrússia.

A Polónia e os países bálticos sustentam que a Bielorrússia apoia estas tentativas de passagem da fronteira - pagando autocarros para os migrantes e fornecendo-lhes pertences e comida para se instalarem nas proximidades antes da travessia - em retaliação pelas sanções impostas pela UE depois da violência pós-eleitoral de 2020, que ocorreu após o sufrágio que consolidou o sexto mandato do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

A chegada nas últimas semanas de mercenários do Grupo Wagner - cerca de 4.000 soldados estão estacionados numa área de fronteira com a Polónia - prejudicou ainda mais as relações entre Minsk e os países da região.

Leia Também: Quatro mortos e 51 desaparecidos em novo naufrágio ao largo da Tunísia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório