Meteorologia

  • 23 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 14º

As primeiras imagens dos destroços do submarino Titan a chegar a terra

O submersível da OceanGate foi encontrado na passada quinta-feira, depois de uma expedição que resultou na morte dos cinco passageiros que pretendiam ver os destroços do Titanic.

Começam a ser reveladas as primeiras imagens dos destroços do submersível Titan, recolhidos pelas equipas de investigação nas águas do Atlântico Norte, depois de, na quinta-feira passada, componentes do submarino da OceanGate terem sido localizados perto do naufrágio do Titanic, indicando que os cinco passageiros que seguiam a bordo teriam perdido a vida numa "implosão catastrófica".

Imagens e vídeos publicados na rede social Twitter dão conta de que os destroços foram recolhidos esta quarta-feira no porto de St. John’s, no Canadá.

Pelo menos 10 componentes já terão sido retirados das águas do Atlântico Norte, numa operação que contou também com o apoio da Guarda Costeira dos Estados Unidos e das autoridades canadianas.

De acordo com a Pelagic Research Services, cujo veículo operado remotamente (ROV) foi usado nas buscas subaquáticas, os trabalhos foram "concluídos com sucesso", ainda que as suas equipas estejam "em processo de desmobilização do Horizon Arctic".

"Trabalham sem parar há dez dias, enfrentando os desafios físicos e mentais desta operação, e estão ansiosos para terminar a missão e voltar para junto dos seus entes queridos", complementou a entidade, através de um comunicado divulgado nas redes sociais.

A empresa remeteu esclarecimentos para mais tarde, dando conta de que uma conferência de imprensa deverá ser agendada ainda hoje.

Recorde-se que o submersível transportava o empresário e explorador Hamish Harding, o empresário paquistanês Shahzada Dawood e o filho, Suleman Dawood, além do CEO da OceanGate, Stockton Rush, bem como o especialista no Titanic Paul-Henri Nargeolet.

Apesar da esperança de que os tripulantes pudessem estar vivos, depois de sons subaquáticos terem sido detetados na passada quarta-feira, a operação contrarrelógio teve um fim trágico com a localização de escombros encontrados na área dos destroços do Titanic, que correspondiam à parte exterior do submersível.

De notar que James Cameron, o diretor do filme 'Titanic' que desenhou submarinos capazes de atingir uma profundidade três vezes superior à do Titan, equacionou que os críticos de Stockton Rush estavam corretos ao denunciar que um casco de fibra de carbono e titânio permitiria a entrada microscópica de água, levando a uma falha progressiva do veículo ao longo do tempo. Contudo, o CEO da OceanGate acreditava que a fibra de carbono teria uma relação força-flutuabilidade melhor do que o titânio.

Sublinhe-se ainda que, em 2018, um funcionário da OceanGate foi demitido por ter alertado para preocupações com o controlo de qualidade do Titan, tendo sido acusado pela empresa de quebra de contrato, fraude e apropriação indevida de segredos comerciais. O homem recusou as acusações e processou a entidade, num processo que foi resolvido fora do tribunal.

Já em 2021, a OceanGate assegurou que o submersível "foi construído e projetado em consulta com engenheiros e fabricantes especializados", além de incluir "vários sistemas de segurança".

A Guarda Costeira dos Estados Unidos continua a investigar o caso, de forma a apurar o que é que correu mal nesta expedição.

[Notícia atualizada às 16h41]

Leia Também: 'Titanic' vai chegar à Netflix, mas há críticas: "Mau 'timing'"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório