Meteorologia

  • 29 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 29º

Espanha pede ao PE para adiar discurso em plenário devido a eleições

O Governo espanhol solicitou hoje formalmente à presidente do Parlamento Europeu para adiar, de julho para setembro, o discurso governamental em plenário sobre a presidência espanhola do Conselho da União Europeia, na sequência das eleições legislativas antecipadas no país.

Espanha pede ao PE para adiar discurso em plenário devido a eleições
Notícias ao Minuto

15:15 - 02/06/23 por Lusa

Mundo Parlamento Europeu

"Esta manhã, o Governo espanhol solicitou formalmente à presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, o adiamento da comparência do presidente do Governo perante a sessão plenária do Parlamento Europeu para apresentar as prioridades da presidência espanhola do Conselho da União Europeia (UE)", indicou hoje fonte do executivo de Pedro Sánchez, numa nota enviada à agência Lusa.

Na mesma nota, a fonte explicou que a decisão já tinha sido comunicada à Direção-Geral da Comunicação do Parlamento Europeu na passada terça-feira, um dia depois de o chefe de Governo, Pedro Sánchez, ter anunciado a convocação de eleições legislativas antecipadas para 23 de julho.

Como o discurso do presidente do Governo no Parlamento Europeu estava previsto para 13 de julho, o que coincide com a campanha eleitoral, "a comparência foi adiada para a sessão plenária de setembro", adiantou a mesma fonte espanhola, numa alusão ao facto de, em agosto, as instituições europeias estarem praticamente fechadas.

Cabe a Roberta Metsola decidir quando responder, mas esta é apenas uma formalidade, até porque a comparência não é obrigatória.

Espanha assume, entre julho e dezembro, a presidência rotativa do Conselho da UE, altura na qual irá também a votos.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou no início desta semana a dissolução do parlamento e a antecipação das eleições legislativas nacionais para 23 de julho, na sequência da derrota dos socialistas, que lidera, nas regionais e municipais de domingo passado.

As eleições legislativas espanholas estavam previstas para dentro de seis meses, em dezembro.

Pedro Sánchez é primeiro-ministro de Espanha desde 2018 e na atual legislatura, iniciada em janeiro de 2020, liderou um executivo de coligação entre o Partido Socialista (PSOE) e a plataforma de extrema-esquerda Unidas Podemos.

No domingo passado, o mapa regional e autárquico de Espanha deixou de ser dominado pelos socialistas com as eleições regionais e locais, que o Partido Popular (PP, direita) ganhou, reivindicando o início de um "novo ciclo político" no país.

O PSOE liderava os executivos regionais de nove das 12 regiões autónomas que tiveram eleições no domingo e perdeu mais de metade, conservando apenas quatro: Astúrias, Canárias, Castela La Mancha e Navarra.

Já o PP, que só governava duas das regiões que no domingo foram a votos (Madrid e Múrcia), poderá ficar a liderar oito, a que se juntam Andaluzia e Castela e Leão, que anteciparam para 2022 as eleições e que a força da direita espanhola também ganhou.

Como não venceu com maioria absoluta em todas as regiões, o PP vai depender em alguns casos do apoio do VOX (extrema-direita) para conseguir governar, como é o caso da Extremadura, Aragão ou Baleares.

O VOX entrou pela primeira vez num governo em Espanha em 2022, em Castela e Leão, coligado com o PP.

Nas eleições municipais, que se realizaram em todo o país, o PP foi também o partido globalmente mais votado, conseguiu uma maioria absoluta na capital espanhola, Madrid, e conquistou à esquerda grandes cidades, como Sevilha e Valência.

Tal como em algumas regiões, o PP também vai depender do VOX para governar municípios em que ganhou no domingo.

Leia Também: Stoltenberg, Metsola, Kuleba e Borrell participam no Bilderberg em Lisboa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório