Meteorologia

  • 25 JULHO 2024
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 27º

Guterres em Bruxelas para "partilhar visões" sobre a guerra com UE

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) vai participar na reunião do Conselho Europeu para "partilhar visões" sobre a invasão da Federação Russa à Ucrânia, afirmou hoje o próprio António Guterres.

Guterres em Bruxelas para "partilhar visões" sobre a guerra com UE
Notícias ao Minuto

11:01 - 23/03/23 por Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

Guterres chegou acompanhado pelo presidente do Conselho, Charles Michel, pelas 10:50 locais (09:50 em Lisboa) e considerou que a participação na reunião de hoje, em Bruxelas (Bélgica), "demonstra a excelente cooperação entre a União Europeia [EU] e as Nações Unidas".

"A invasão russa está a provocar um tremendo sofrimento e tem um impacto gigantesco globalmente. Vamos aproveitar para partilhar visões", adiantou António Guterres.

O secretário-geral da ONU alertou para uma "tempestade perfeita" em "muitos países" constatável pelo agravamento dos principais indicadores da qualidade de vida: "Mais fome, mais pobreza, menos educação, menos serviços de saúde."

"Estamos perto do ponto de ruptura", dramatizou.

O presidente do Conselho Europeu, por seu lado, cumprimentou Guterres pela sua "liderança pessoal, especialmente na Iniciativa de Grãos do Mar Negro" que permitiu já a exportação de mais de 23 milhões de cereais ucranianos, contribuindo para conter a subida dos preços dos bens alimentares.

Michel salientou que as Nações Unidas e a UE "têm muito em comum".

"Acreditamos na abordagem multilateral, no espírito de cooperação, na Carta das Nações Unidas e na lei internacional", salientou, em declarações à entrada para a cimeira europeia.

Na reunião do Conselho, os líderes da UE e Guterres terão "ocasião de debater alguns dos desafios dos nossos dias, como a guerra lançada pela Rússia contra a Ucrânia", mas ainda as alterações climáticas e a ajuda ao desenvolvimento.

É expectável que António Guterres aproveite o momento para abordar as sanções à Rússia e, particularmente, à Bielorrússia, pelo impacto global que poderá advir do bloqueio à exportação de fertilizantes.

De acordo com o POLITICO, que consultou fontes diplomáticas, a Lituânia está a dificultar "a obtenção de um acordo" que permita a exportação de fertilizantes da Bielorrússia. Em 2021, um voo da Ryanair com destino a Vílnius, capital da Lituânia, foi desviado para detenção de Roman Protasevich, opositor ao regime de Aleksandr Lukashenko.

A Lituânia e outros países como a Polónia têm insistido em sanções mais severas a Minsk e Moscovo como a maneira mais eficaz de forçar o fim do conflito na Ucrânia.

Leia Também: Guterres junta-se aos líderes da UE em nova cimeira sob signo da guerra

Recomendados para si

;
Campo obrigatório