Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 29º

TPI condena "ameaças" russas recebidas após emitir mandado de Putin

O Tribunal Penal Internacional (TPI) condenou hoje as "ameaças" emanadas da Rússia a membros da sua equipa após emitir um mandado de captura do Presidente russo, Vladimir Putin, pelo crime de guerra de deportação de crianças ucranianas.

TPI condena "ameaças" russas recebidas após emitir mandado de Putin
Notícias ao Minuto

18:28 - 22/03/23 por Lusa

Mundo Ucrânia

A Presidência da Assembleia dos Estados Partes do TPI, o órgão legislativo que reúne os seus 123 membros, revelou que houve "ameaças" contra o tribunal e "medidas anunciadas contra o procurador e juízes envolvidos na emissão de mandados de captura relacionados com a situação na Ucrânia".

A Rússia anunciou na segunda-feira a abertura de uma investigação criminal contra o procurador e três juízes do TPI, após a emissão por aquela instância judicial de um mandado de captura de Putin e da sua comissária para os direitos da criança, Maria Lvova-Belova.

Segundo a imprensa neerlandesa, o ex-Presidente russo Dimitri Medvedev, atual 'número dois' do Conselho de Segurança da Rússia e que costuma fazer declarações polémicas, aconselhou, no mesmo dia, na plataforma digital Telegram, os juízes do TPI a "olharem atentamente para o céu", referindo-se ao poder de ataque russo.

Num comunicado, o órgão legislativo do TPI lamentou hoje "essas tentativas de obstruir esforços internacionais que pretendem garantir a responsabilização por atos proibidos pelo direito internacional geral" e "reiterou igualmente a sua plena confiança no tribunal".

O procurador-geral do TPI Karim Khan, que está há mais de um ano a investigar eventuais crimes de guerra ou contra a humanidade cometidos durante a ofensiva russa na Ucrânia, que já entrou no seu segundo ano, declarou que o número de presumíveis deportações de crianças ucranianas para a Rússia ou territórios que ela controla "alcança os milhares".

Segundo Kiev, mais de 16.000 crianças ucranianas foram deportadas para a Rússia desde o início da invasão russa da Ucrânia, a 24 de fevereiro de 2022, muitas das quais foram colocadas em instituições e famílias de acolhimento.

Leia Também: Armas letais para a Rússia? China "não ultrapassou a linha", diz Blinken

Recomendados para si

;
Campo obrigatório