Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 31º

Armas letais para a Rússia? China "não ultrapassou a linha", diz Blinken

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos comentou a visita do presidente da China, Xi Jinping, à Rússia, durante a qual este se encontrou com o seu homólogo, Vladimir Putin.

Armas letais para a Rússia? China "não ultrapassou a linha", diz Blinken
Notícias ao Minuto

16:12 - 22/03/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

O secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Antony Blinken, considerou, esta quarta-feira, que a China não "ultrapassou a linha" no que diz respeito ao fornecimento de apoio letal à Rússia.

"Enquanto falamos hoje, não os vimos passar essa linha", garantiu Blinken quando questionado, durante uma comissão no Senado, sobre se Pequim estava a dar este tipo de apoio a Moscovo.

O chefe da diplomacia dos EUA tem vindo a avisar, ao longo das semanas, para a possibilidade desta 'troca' acontecer, tendo mesmo Blinken referindo que os responsáveis chineses estavam  pensar fornecer este tipo de armamento, a ser utilizado na guerra da Ucrânia. 

Durante a sua intervenção, Blinken falou ainda sobre a posição da China em relação à guerra na Ucrânia, que tem sido vista pela comunidade internacional como dúbia. O país asiático tem sido criticado e pressionado a tomar uma posição, já que nunca condenou a invasão das tropas russas em território ucraniano.

Esta semana, o presidente chinês, Xi Jinping, deslocou-se até Moscovo para se reunir - e assinar alguns acordos - com o seu homólogo russo, Vladimir Putin. "Acho que o apoios diplomático, político e, de certa forma, material, vão contra o nosso interesse em pôr fim a esta guerra", atirou.

Pequim já negou que está a fornecer armas deste tipo a Moscovo e, para além dos EUA, um dos maiores aliados de Kyiv, também a União Europeia (UE) já deixou alguns avisos.

Ainda em fevereiro, o Alto Representante para a Política Externa e de Segurança da UE, Josep Borrell, explicou que já tinha avisado a diplomacia chinesa sobre este assunto, nomeadamente, o mais alto represente, Wang Yi.

"Exortei-o a não fazê-lo [fornecer armas letais]. Expressei não apenas a nossa preocupação, mas também o facto de que, para nós, tal constituiria uma linha vermelha na nossa relação”, afirmou Borrell, antes de uma reunião com os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27.

Leia Também: Zelensky visita soldados ucranianos feridos em combate em Bakhmut

Recomendados para si

;
Campo obrigatório