Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

França só apoia acordo entre UE e Mercosul com as mesmas regras ambientais

O Presidente francês, Emmanuel Macron, assegurou hoje que só apoiará um acordo comercial entre a União Europeia e a Mercosul se os países da América Latina cumprirem as mesmas regras ambientais que os europeus.

França só apoia acordo entre UE e Mercosul com as mesmas regras ambientais
Notícias ao Minuto

13:13 - 25/02/23 por Lusa

Mundo Emmanuel Macron

"Um acordo com os países da América Latina não será possível se eles não respeitarem, como nós, os acordos de Paris (sobre o combate às alterações climáticas) e se não tiverem as mesmas exigências ambientais e sanitárias que impomos aos nossos produtores" disse o chefe de Estado francês, citado pela agência EFE.

As afirmações de Emmanuel Macron foram proferidas na abertura do Salão de Agricultura de Paris, durante o qual escutou criticas de agricultores e de criadores de gado sobre o novo acordo comercial que a União Europeia (UE) está a negociar com a Mercosul e o impacto que este poderá ter na sua atividade.

Uma das críticas escutadas pelo Presidente francês é de que a UE impõe regras ecologias aos seus produtores mais rígidas do que aquelas que exige aos países do Mercosul, nomeadamente Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, facto reconhecido por Macron.

Nesse sentido, o chefe de Estado assegurou que tudo fará para que o acordo entre a UE e a Mercosul (alcançado em 2019, mas ainda não ratificado) possa incluir essas exigências.

"Quando impomos restrições aos nossos produtores devemos impô-las aos alimentos que importamos, coisa que não fazemos suficiente a nível europeu", disse ainda Emmanuel Macron.

Atualmente, o Mercosul, criado em 1991, é constituído por cinco membros: Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela (suspensa desde 2016) e por cinco países associados: Chile, Bolívia, Colômbia, Equador e Peru.

Em 2019, foi alcançado um acordo entre a UE e o Mercosul, após mais de 20 anos de negociações, mas não foi ratificado, sobretudo devido às dúvidas e preocupações com as políticas ambientais do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro.

No início deste ano o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, estimou que o acordo possa ser assinado até julho.

Leia Também: Emmanuel Macron visita a China no início de abril

Recomendados para si

;
Campo obrigatório