Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Rússia quer "mostrar no aniversário da invasão que tem algumas hipóteses"

O presidente ucraniano alertou que "a situação está a tornar-se ainda mais grave" no leste do país.

Rússia quer "mostrar no aniversário da invasão que tem algumas hipóteses"
Notícias ao Minuto

22:07 - 01/02/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Volodymyr Zelensky

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou, esta quarta-feira, que se tem registado “um certo aumento nas ações ofensivas” das tropas russas no leste do país, região onde a situação se está a “tornar mais grave”, e alertou que a Rússia está a tentar “ganhar algo agora para mostrar no aniversário da invasão que ainda tem algumas hipóteses” de vencer o conflito.

Na sua comunicação diária ao país, o chefe de Estado ucraniano afirmou que teve “várias reuniões” com chefes militares. “Há um certo aumento nas ações ofensivas dos ocupantes na linha da frente - no leste do nosso país. A situação está a tornar-se ainda mais grave”, disse.

Destacando que o país tem persistido “de fevereiro a fevereiro”, tendo em conta que a invasão russa ocorreu na madrugada de 24 de fevereiro de 2022, Zelensky alertou que o "inimigo está a tentar ganhar algo agora para mostrar no aniversário da invasão que a Rússia supostamente tem algumas hipóteses” e alertou para a necessidade de o povo ucraniano permanecer “especialmente unido”. 

O presidente ucraniano abordou ainda as buscas levadas hoje a cabo em várias regiões ucranianas contra “diferentes indivíduos no âmbito de um processo penal” e, apesar de não querer fazer “avaliações políticas”, destacou a “reação da sociedade”, que mostra que as “pessoas aprovam as ações das autoridades”. 

“O movimento em direção à justiça é tangível. E a justiça será garantida”, afirmou.

As buscas em causa, recorde-se, visaram o ex-ministro do Interior, Arsen Avakom, devido a uma investigação sobre a queda de um helicóptero em que viajava a cúpula do atual ministério. 

O helicóptero despenhou-se em 18 de janeiro na região de Kyiv, causando a morte de 14 pessoas, incluindo o ministro do Interior, Denys Monastyrsky, o seu adjunto Yevhen Yenin, e o secretário de Estado do Interior Yuriy Lubkovych.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que mais de sete mil civis morreram e cerca de 12 mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: Kyiv defende que a "adesão da Ucrânia à NATO só fortalecerá a aliança"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório