Meteorologia

  • 30 JANEIRO 2023
Tempo
10º
MIN 3º MÁX 12º

Presidente do Irão ameaça punir manifestantes após primeira execução

O Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, ameaçou hoje que punirá "com determinação" os manifestantes que estão a exigir o fim da República Islâmica, um dia após a primeira execução de um condenado por participar nos protestos no país.

Presidente do Irão ameaça punir manifestantes após primeira execução
Notícias ao Minuto

18:18 - 09/12/22 por Lusa

Mundo Irão

"Continuaremos com determinação a identificação, o julgamento e a punição dos perpetradores do assassínio das forças de segurança", afirmou Raisi numa cerimónia de homenagem aos agentes policiais mortos nos protestos.

O chefe de Estado indicou que "os inimigos estão a tentar prejudicar os valores da Revolução Islâmica" com uma "nova guerra orquestrada".

"Os inimigos afirmam que defendem a vida dos iranianos, mas, na prática, assassinam inocentes", sustentou.

As autoridades iranianas executaram na quinta-feira de manhã Mohsen Shekari -- o primeiro enforcamento de um manifestante condenado à morte por participar nos protestos desencadeados pela morte, a 16 de setembro, da jovem curda iraniana Mahsa Amini sob custódia policial.

Shekari, de 23 anos, foi condenado à pena capital por ferir um basiji -- miliciano islâmico -- com uma faca e bloquear uma rua em Teerão.

Ativistas iranianos instaram hoje a mobilizações no sábado nas ruas do Irão em protesto contra a execução de Shekari.

"Apelamos [para o protesto] pela morte de Mohsen Shekari, mártir pela liberdade do nosso país, e contra a execução dos companheiros encarcerados", afirmou nas redes sociais o grupo Jovens dos Bairros de Teerão.

"Não vamos parar até que o sistema que mata jovens seja derrubado", acrescentaram os ativistas.

A Amnistia Internacional declarou-se "horrorizada" com o enforcamento de Mohsen Shekari, que "evidencia a desumanidade" do sistema judicial do Irão, onde "muitas outras pessoas correm o risco de ter o mesmo destino".

Mais dez presos foram condenados à morte pela participação nos protestos no país, e é possível que sejam executados nos próximos dias.

Por seu lado, Mahmood Amiry-Moghaddam, diretor da organização não-governamental Iran Human Rights (IHR), com sede em Oslo, apelou para uma forte reação internacional, para dissuadir a República Islâmica de proceder a mais execuções.

A execução de Shekari desencadeou uma avalancha de críticas internacionais: a União Europeia condenou "nos termos mais enérgicos possíveis" a execução e instou Teerão a abster-se de aplicar a pena capital, condenação a que se juntaram a ONU e países como a Alemanha, o Canadá, a Itália e o Reino Unido.

Perante as críticas da comunidade internacional, o Governo iraniano classificou como "proporcional" e "comedida" a sua resposta policial e judicial e acusou os países ocidentais de hipocrisia e de apoiarem os protestos, ao imporem ao Irão mais sanções.

O Reino Unido indicou hoje ter sancionado 30 entidades ou pessoas originárias de 11 países, entre os quais o Irão, incluindo responsáveis iranianos acusados de infligir "penas chocantes" a manifestantes contra o regime.

O Canadá anunciou ter sancionado 22 altos responsáveis da magistratura, da administração penitenciária e da polícia iranianas, bem como assessores de topo do guia supremo, o ayatollah Ali Khamenei.

A União Europeia prepara-se para juntar à sua 'lista negra' 20 pessoas e uma entidade iranianas para sancionar as violações dos direitos humanos cometidas no Irão durante a repressão dos protestos, indicaram hoje fontes diplomáticas em Bruxelas.

Esta onda de manifestações sem precedentes em todo o país começou por causa da morte de Mahsa Amini, de 22 anos, violentamente agredida e detida na rua em Teerão a 13 de setembro pela polícia da moralidade (responsável pelo cumprimento do rígido código de vestuário feminino), porque embora envergasse o obrigatório 'hijab' (véu islâmico) este deixava à vista parte do seu cabelo. Horas depois de detida, foi transportada em coma para um hospital, onde morreria três dias depois.

Mas depois, os protestos assumiram ainda maiores dimensões e evoluíram, reivindicando agora o fim do regime teocrático designado como "República Islâmica", fundado em 1979 pelo ayatollah Ruhollah Khomeini, autoridade religiosa xiita iraniana e líder espiritual e político da revolução que nesse ano depôs o xá do Irão, Mohammad Reza Pahlavi.

Em quase três meses de protestos, morreram mais de 500 pessoas e pelo menos 15.000 foram detidas, segundo a ONG Iran Human Rights.

As autoridades iranianas estimaram em 300 o número de mortos, 50 dos quais membros das forças de segurança do país.

Após quase três meses de contestação social, foi anunciada, de forma algo confusa, a dissolução da polícia da moralidade, responsável pela detenção e morte de Amini, mas o anúncio não acalmou a situação, agora agravada pela execução do primeiro manifestante.

Além disso, o desaparecimento das patrulhas dessa força policial não implicou o fim das leis que impõem o uso obrigatório do véu e outras normas sociais rígidas no país.

Tudo parece indicar que apenas mudarão os métodos utilizados para garantir o cumprimento de tais leis, cujas infrações, como por exemplo "o mau uso do hijab", passarão a ser punidas com multas e até dois meses de prisão.

Leia Também: Quem era Mohsen Shekari? O primeiro executado pelos protestos no Irão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório