Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 4º MÁX 11º

Missouri executa homem condenado à morte por matar polícia

Execução é a segunda no Missouri este ano.

Missouri executa homem condenado à morte por matar polícia
Notícias ao Minuto

11:02 - 30/11/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Missouri

Um homem, condenado à morte pelo homicídio de um polícia, foi executado, no estado norte-americano do Missouri, na noite de terça-feira. 

Kevin Johnson, de 37 anos, foi executado através de uma injeção letal de pentobarbital, na prisão estadual de Bonne Terre. 

De acordo com o New York Post, o homem tinha sido condenado à morte pelo homicídio, em 2005, do polícia de Kirwood William McEntee, quando tinha 19 anos. 

O homem não fez uma declaração final, mas conversou com o seu conselheiro espiritual, que o acompanhou depois durante a execução, lendo a bíblia e orando.  A filha de 19 anos não pôde testemunhar a morte do pai, apesar das tentativas judiciais, uma vez que a lei do Missouri proíbe menores de 21 anos de estarem presentes em execuções.

O mesmo jornal destaca que a jovem, que tinha apenas dois anos quando o pai foi preso, disse que o progenitor foi a "pessoa mais importante" da sua vida, tendo-se esforçado arduamente para se reabilitar durante o tempo em que esteve na prisão.

Já o padre que o acompanhou disse que Johnson pediu "novamente" desculpas à família da vítima e que estava "ansioso" para ver o seu "maninho" – note-se que o homem alegou sempre que tinha matado o polícia por este ser o culpado da morte do seu irmão.

Tudo aconteceu quando o polícia cumpria um mandado de detenção, uma vez que as autoridades acreditava que Johnson havia violado a liberdade condicional em que se encontrava por agredir a namorada.

O irmão, de 12 anos, de Johnson, terá corrido para a casa da avó, onde desmaiou e teve uma convulsão, surgindo depois a versão de que McEntee impediu a mãe dos meninos de entrar na casa para ajudar o adolescente, que morreu mais tarde no hospital.

Posteriomente, na mesma noite, Johnson abordou o polícia, que estava no seu carro, e disparou uma arma atingindo-o em várias partes do corpo. O homem também feriu uma adolescente que estava no veículo, mas que sobreviveu.

A mãe de Johnson terá apelado várias vezes para impedir o pior, defendendo que o polícia não era responsável pela morte, mas Johnson matou-o, de joelhos, fora do carro.

O último pedido para impedir a execução do homem foi arquivado na semana passada.

Embora nunca tenham negado que Johnson cometeu o homicídio, a defesa argumentou que sua idade na altura e o seu histórico de doença mental deveriam anular a sentença de morte, e falaram várias vezes em racismo, uma vez que o polícia era branco e Johnson negro.

A execução de Johnson é a segunda no Missouri este ano e a 17.ª nos Estados Unidos.

Leia Também: Ida ao Qatar? Viagem de filho de Bolsonaro é "de caráter particular"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório