Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 4º MÁX 11º

Investigado ataque a base do grupo Wagner na República Centro-Africana

As autoridades da República Centro-Africana abriram uma investigação após um jato ter largado explosivos perto de uma base para mercenários russos que trabalhavam com os militares do país.

Investigado ataque a base do grupo Wagner na República Centro-Africana
Notícias ao Minuto

13:39 - 29/11/22 por Lusa

Mundo Wagner

O ataque teve lugar nas primeiras horas de segunda-feira na base de Cotenaf, em Bossangoa, onde testemunhas disseram que tanto a base utilizada pelo Grupo Wagner, da Rússia, como as casas circundantes, tinham sido atingidas.

"Os paramilitares russos mostraram a sua indignação, disparando para o ar das 5h00 às 6h00. De momento, a cidade está tranquila, as lojas ainda não estão abertas e as pessoas têm medo de fazer negócios", disse Robert Faradanga, um jornalista comunitário local.

Não ficou imediatamente claro quem foi o responsável pela aeronave que lançou os explosivos.

O ministro da Informação, Serge Ghislain Djorie, disse numa declaração que a aeronave desconhecida se dirigiu para norte após o incidente, antes de deixar o espaço aéreo do país.

"Este ato desprezível perpetrado pelos inimigos da paz não ficará impune", avisou Djorie.

Na República Centro-Africana, os mercenários do grupo Wagner percorrem a capital Bangui em veículos militares sem marca e guardam as minas de ouro e diamantes do país. Ajudaram a manter os grupos rebeldes armados e o Presidente Faustin-Archange Touadera no poder.

Contudo, o grupo mercenário também tem sido acusado de cometer violações dos direitos humanos.

Um relatório divulgado no início deste ano pelo perito independente da ONU sobre a situação dos direitos humanos na República Centro-Africana citou uma série de ataques que alegadamente foram efetuados sob as ordens das forças armadas do país e dos seus aliados do Grupo Wagner.

Num caso, mercenários russos impediram as forças de manutenção da paz da ONU de aceder a uma aldeia onde as forças armadas do país e os russos tinham, "alegadamente, aberto fogo sobre civis indiscriminadamente".

Num dos ataques alegadamente ordenados pelos russos, os militantes foram à aldeia de Boyo e mataram 19 civis. O relatório de Yao Agbetse, o perito independente da ONU, também declarou que os feridos tinham sido enterrados vivos.

Leia Também: Parlamento Europeu recebe marreta "ensanguentada" do Grupo Wagner

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório