Meteorologia

  • 30 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 3º MÁX 12º

Ataques a instalações de energia? "O fascismo do séc. XXI", acusa Ucrânia

Ataques são "sobre cirurgias interrompidas, diálises canceladas, ventiladores desligados, ambulâncias que não chegaram", considerou o conselheiro presidencial ucraniano.

Ataques a instalações de energia? "O fascismo do séc. XXI", acusa Ucrânia
Notícias ao Minuto

18:16 - 27/11/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Mykhailo Podolyak

O conselheiro presidencial da Ucrânia, Mykhailo Podolyak, afirmou, este domingo, que os ataques russos a instalações de energia “não são sobre a luz” e que não “afetam a linha da frente”, tratando-se “simplesmente do fascismo do século XXI”.

"Ataques russos sobre instalações energéticas - não são apenas sobre a luz. Mas sobre cirurgias interrompidas, diálises canceladas, ventiladores desligados, ambulâncias que não chegaram", começou por escrever na rede social Twitter.

E questionou: "Será que afetam a linha da frente? Não. Simplesmente o fascismo do século XXI - o terror das cidades civis aos aplausos da propaganda Z".

Em causa está uma onda de ataques de mísseis russos, a 23 de novembro, contra a infraestrutura energética, que obrigou as autoridades ucranianas a desligarem as centrais nucleares e a maioria das centrais térmicas e hidroelétricas da rede para evitar acidentes, o que fez mergulhar grande parte do país na escuridão.

A acusação surge um dia após o conselheiro do presidente Volodymyr Zelensky ter referido na mesma rede social que a Rússia “tentou disfarçar os seus verdadeiros objetivos”, mas agora pretende a “destruição da Ucrânia como Estado e o assassínio em massa dos ucranianos como Nação”, sendo uma “manifestação do fascismo clássico do século XXI”.

"No início, a Federação Russa tentou disfarçar os seus verdadeiros objetivos, mas agora o Kremlin apenas fala num objetivo - a destruição da Ucrânia como Estado e o assassínio em massa dos ucranianos como Nação. A Rússia de Putin é pura manifestação do fascismo clássico do século XXI", asseverou.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que cerca de seis mil civis morreram e mais de dez mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: Ucrânia tem "sinais" de que russos se "preparam" para deixar Zaporíjia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório