Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

Malta apresenta lei que permite interromper gravidez em caso de risco

Esta proposta surgiu depois de os hospitais da ilha terem negado tratamento a uma turista norte-americana, Andrea Prudente, que sofreu complicações na 16.ª semana de gravidez, dando origem a um aborto parcial que colocou a sua vida em perigo.

Malta apresenta lei que permite interromper gravidez em caso de risco
Notícias ao Minuto

22:12 - 21/11/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Malta

O governo de Malta apresentou uma lei que permite às grávidas interromperem a gestação, se a sua vida ou saúde estiver em risco.

A decisão foi aplaudida pelos ativistas de Malta, que celebraram a esperada vitória pelos direitos das mulheres.

Este é um passo em frente muito necessário em Malta”, considerou a ativista e advogada dos direitos humanos Desiree Attard, citada pela AFP.

A nova legislação, que ainda terá de ser debatida no parlamento, prevê que o aborto seja legal nos casos em que tenha como objetivo “proteger a saúde de uma mulher grávida que sofra de uma complicação médica que possa colocar em risco a sua vida ou a sua saúde”. De notar que, de momento, os médicos que façam o procedimento arriscam uma pena de prisão de até quatro anos, podendo ainda ser banidos de trabalhar na área da saúde para o resto da vida.

Pela primeira vez, temos uma proposta legislativa que reconhece o quão arcaico é o nosso quadro jurídico atual e procura corrigi-lo, mesmo que ligeiramente”, complementou Attard.

Contudo, a ativista ressalvou que o projeto-lei está “longe de ser suficiente”, considerando que o governo precisa de “reconhecer que os direitos reprodutivos são direitos fundamentais”.

Também Isabel Stabile, ativista do grupo Doctors for Choice, apontou que a medida fica aquém das expectativas, uma vez que não prevê a interrupção em caso de violação, incesto ou de anomalia fetal. Além disso, “até 400 pessoas em Malta por ano” encomendam pílulas abortivas online para uso em casa, o que significa que as pessoas vulneráveis “continuarão a ser criminalizadas”, enquanto aquelas que têm meios económicos continuarão a viajar para clínicas noutras partes da Europa.

Esta proposta surgiu depois de os hospitais da ilha terem negado tratamento a uma turista norte-americana, Andrea Prudente, que sofreu complicações na 16.ª semana de gravidez, dando origem a um aborto parcial que colocou a sua vida em perigo. Ainda que o feto não tivesse hipótese de sobreviver, tinha batimentos cardíacos, pelo que a interrupção foi negada. Andrea e o companheiro acabaram por viajar até Málaga, em Espanha, onde o aborto foi realizado.

Também no rescaldo do caso, mais de 130 médicos de Malta protestaram contra a proibição total da interrupção voluntária da gravidez, considerando que representava um obstáculo a um atendimento médico adequado.

Leia Também: EUA. Defensores do aborto vencem em estados conservadores e liberais

Recomendados para si

;
Campo obrigatório