Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

Grávida em risco de vida com aborto negado em Malta rumou a Espanha

O casal foi transportado para Palma de Maiorca no final do dia de quinta-feira, num voo de emergência médica.

Grávida em risco de vida com aborto negado em Malta rumou a Espanha
Notícias ao Minuto

21:51 - 24/06/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Saúde

A mulher norte-americana que sofreu complicações na 16.ª semana de gravidez enquanto celebrava uma ‘lua de bebé’ em Malta foi, na quinta-feira, transportada para um hospital na ilha espanhola de Palma de Maiorca, depois de lhe ter sido negado um aborto no arquipélago maltês.

O companheiro de Andrea Prudente, Jay Weeldreyer, contou à Associated Press (AP) que os médicos do Son Espases University Hospital de Palma de Maiorca estão a preparar a mulher para o procedimento de remoção dos restos de tecidos fetais, uma vez que a grávida estava em risco de vida por uma potencial infeção.

O casal foi transportado para a ilha espanhola no final do dia de quinta-feira, num voo de emergência médica.

Segundo Weeldreyer, Prudente está “exausta, mas aliviada”.

“Ela está estável. Por isso, está a salvo”, complementou, em declarações ao mesmo meio noticioso.

“O próximo passo é abortar”, confessou. “De um ponto de vista médico, será o fim.”

Sob a lei espanhola, é permitido abortar até à 14.ª semana de gestação, e até à 22.ª semana quando a saúde ou vida da mulher está em risco.

Após a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos que, esta quinta-feira, reverteu o direito constitucional ao aborto, o casal “apenas olhou um para o outro”.

“Pensámos nas mulheres que sofrerão nos estados onde os políticos escolherão fazer algo como em Malta, para ganhos políticos”, lamentou Weeldreyer, salientando que “as mulheres vão sofrer”.

Recorde-se que Prudente, de 38 anos, sofreu uma grave hemorragia no dia 12 de junho, seguida de uma rutura da bolsa amniótica e de um descolamento parcial da placenta, conforme revelou o companheiro, de 45 anos, à AP.

O hospital foi onde tratada em Malta não pôde realizar o procedimento para finalizar o aborto, devido às leis do país – o único na União Europeia que não permite a realização de aborto em qualquer circunstância.

O casal de Issaquah, no estado norte-americano de Washington, chegou a Malta no dia 5 de junho para uma ‘lua de bebé’. Depois de uma semana, Prudente, grávida de 16.ª semanas, começou a sangrar, naquele que foi “o pior dos cenários, onde não há qualquer escolha boa”.

Ao jornal britânico The Guardian, Prudente confessou, na quarta-feira, desejar apenas sair de Malta “com vida”, sentindo que estava a ser “ativamente traumatizada”.

Leia Também: Hospital em Malta recusa aborto a mulher cujo bebé tem "zero hipóteses"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório