Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 38º

Kremlin acusa Kyiv de abandonar negociações "sob ordem" dos EUA

O Kremlin acusou hoje a Ucrânia de se ter retirado, em março, das negociações de paz com a Rússia "por ordem" dos Estados Unidos, quando estava conseguido "um equilíbrio muito, muito difícil" entre Kyiv e Moscovo.

Kremlin acusa Kyiv de abandonar negociações "sob ordem" dos EUA
Notícias ao Minuto

12:43 - 27/10/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"O texto estava realmente pronto. (...) E, de repente, o lado ucraniano desapareceu do radar, disse que já não queria continuar as negociações", lamentou o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, dizendo que o Presidente Vladimir Putin considerou óbvio que "tal rejeição dos acordos já acordados ocorreu claramente às ordens de Washington".

"É bastante óbvio", insistiu Peskov em declarações aos jornalistas.

Na quarta-feira, o Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embalo, atual presidente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), tinha dito em Kiev que Vladimir Putin, com quem tinha estado no dia anterior, "tinha expressado a ideia de que estava pronto para negociar com o Presidente Volodymir Zelensky", da Ucrânia.

Questionado sobre estas declarações, Peskov assegurou que a Rússia está "pronta para garantir os seus interesses na mesa das negociações".

É isso que "queremos, mas neste caso especifico, estamos a falar de total relutância por parte da Ucrânia", lamentou, acrescentando que "não houve nenhuma mensagem específica" para a Presidência ucraniana.

Volodymyr Zelensky rapidamente descartou qualquer possibilidade de discussões com Moscovo, denunciando a "retórica preparada" de Vladimir Putin.

O líder ucraniano tinha já sido categórico quando afirmou, no final de setembro, que a Ucrânia não negociaria com a Rússia enquanto Vladimir Putin fosse Presidente.

As conversações entre Kiev e Moscovo estão paralisadas desde março, com ambos os lados a culparem-se mutuamente pelo impasse.

A Rússia lançou uma ofensiva militar na Ucrânia a 24 de fevereiro condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com apoio económico e militar à Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções políticas e económicas sem precedentes.

Leia Também: AO MINUTO: Nord Stream 2 inutilizável; Central de Balaklava atacada

Recomendados para si

;
Campo obrigatório