Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2022
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Kara-Murza. O opositor que discursou em Lisboa e foi acusado pela Rússia

Kara-Murza criticou o regime de Putin na capital portuguesa, e também em Helsínquia e Washington.

Kara-Murza. O opositor que discursou em Lisboa e foi acusado pela Rússia
Notícias ao Minuto

17:16 - 06/10/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

As autoridades russas acusaram o político da oposição Vladimir Kara-Murza de alta traição, de acordo com o que o seu advogado disse às agências de notícias russas, esta quinta-feira.

"O nosso cliente foi acusado depois de criticar abertamente as autoridades russas três vezes, em eventos públicos em Lisboa, Helsínquia e Washington. Estes discursos não foram uma ameaça [ao país], foram públicos e abertos a críticas", disse o advogado do ativista à agência TASS.

De acordo as publicações internacionais, os procuradores acusam Kara-Murza de trabalhar para organizações sediadas em países da NATO, ajudando-os com atividades que eram "contra a segurança da Rússia". De acordo com as autoridades russas, o político receberia por isto cerca de 30 mil dólares mensais (cerca de 30 mil euros).

Kara Murza já tinha sido acusado, em abril, por "espalhar desinformação" sobre o exército russo. Em julho, o seu advogado disse que as autoridades tinham aberto um outro caso que o envolveria em organizações "indesejáveis".

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,5 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.114 civis mortos e 9.132 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Vladimir Kara-Murza, 41 anos, é uma das últimas figuras da oposição russa que ainda se encontra no país.

O ex-jornalista pertencia ao círculo próximo do opositor Boris Nemtsov, assassinado em Moscovo em 2015, e também trabalhou para a organização de Mikhail Khodorkovski, o ex-oligarca que no exílio se tornou acérrimo crítico do presidente, Vladimir Putin.

Kara-Murza garante ter sido envenenado por agentes russos em duas ocasiões, em 2015 e 2017, devido às suas atividades públicas.

Na terça-feira, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (CEDH) condenou Moscovo por ter anulado a candidatura de Vladimir Kara-Murza às eleições na Rússia pelo facto de possuir dupla nacionalidade russa e britânica.

O opositor possui nacionalidade russa desde o seu nascimento e obteve a nacionalidade britânica após se ter instalado no Reino Unidos aos 15 anos, juntamente com sua mãe.

[Notícia atualizada às 18h13]

Leia Também: Grupo de Arraiolos condena Rússia "pelo ataque brutal e inaceitável"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório