Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 16º

ONU apela à "libertação" dos militares da Costa do Marfim presos no Mali

A Organização das Nações Unidas (ONU) apelou hoje, em comunicado, à libertação imediata" dos 46 militares da Costa do Marfim detidos no Mali desde julho.

ONU apela à "libertação" dos militares da Costa do Marfim presos no Mali
Notícias ao Minuto

18:06 - 26/09/22 por Lusa

Mundo ONU

O secretariado da ONU, entidade que emitiu a nota e inclui as estruturas de gestão da ONU bem como o secretário-geral, António Guterres, apela ainda ao "restabelecimento da confiança" entre os dois países vizinhos.

Assim, na nota, pede a "libertação imediata" dos 46 soldados detidos no Mali desde o início de julho, dentro do "espírito das relações fraternas entre os povos da Costa do Marfim e do Mali".

A ONU "apoia fortemente todos os esforços para facilitar esta libertação, bem como o restabelecimento da confiança e a promoção da boa vizinhança entre os dois países", acrescenta o comunicado, citado pela agência France-Presse, sublinhando o seu "profundo apreço pela contribuição da Costa do Marfim para as operações de manutenção da paz da ONU e para a Minusma (Missão das Nações Unidas no Mali) em particular".

A prisão de militares da Costa do Marfim, em 10 de julho em Bamako e a acusação, em meados de agosto, de que "tentaram minar a segurança externa do Estado", transformou-se numa crise diplomática entre os dois países vizinhos.

A junta militar no poder no Mali descreve os militares como "mercenários", enquanto Abidjan garante que aqueles elementos estavam em missão para a ONU, como parte das operações de apoio logístico à Minusma.

Durante uma entrevista na semana passada à RFI e France 24, António Guterres afirmou que os soldados da Costa do Marfim detidos "não eram mercenários", o que provocou o descontentamento da junta militar no poder no Mali.

No seu discurso no sábado na Assembleia-Geral das Nações Unidas, o coronel Abdoulaye Maïga, primeiro-ministro interino do Mali, atacou o secretário-geral da ONU.

"Deixe-me expressar o meu profundo desacordo após a sua recente declaração nos 'media'", disse o coronel, considerando que esse caso "bilateral e judicial" não era "competência do secretário-geral das Nações Unidas".

"Senhor secretário-geral, o Mali tirará todas as consequências legais das suas ações", acrescentou.

Leia Também: António Guterres pede fim da "era da chantagem nuclear" e apela a "recuo"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório