Meteorologia

  • 01 OUTUBRO 2022
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 27º

Guiné-Conacri. Líderes da CEDEAO decidem aplicar sanções à junta militar

Os dirigentes dos Estados da África ocidental decidiram, numa cimeira extraordinária na quinta-feira à noite, em Nova Iorque, aplicar "sanções progressivas" contra a junta militar no poder na Guiné-Conacri.

Guiné-Conacri. Líderes da CEDEAO decidem aplicar sanções à junta militar
Notícias ao Minuto

07:29 - 23/09/22 por Lusa

Mundo Guiné-Conacri

"Decidimos aplicar sanções contra a Guiné", declarou o presidente da comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Omar Aliou Touray, no final de uma cimeira à porta fechada, em Nova Iorque, à margem da Assembleia-Geral da ONU

A decisão foi tomada perante a inflexibilidade dos militares em reduzir o período de transição do poder para os civis, previsto em 36 meses, para 24.

De acordo com um documento, consultado pela agência de notícias France-Presse e confirmado por vários participantes na cimeira, "foi decidido adotar sanções progressivas contra indivíduos e contra a junta guineense".

No mesmo texto é indicado que "muito rapidamente, o presidente em exercício da CEDEAO [o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló] e o presidente da comissão da CEDEAO vão estabelecer uma lista de pessoas e, de forma gradual, aplicar as sanções".

Reunidos durante várias horas, os líderes da CEDEAO, com exceção do Mali, da Guiné-Conacri e do Burquina Faso, países dirigidos por juntas militares, exigiram também a libertação de 46 soldados da Costa do Marfim, detidos no Mali.

"Condenamos a detenção dos militares costa-marfinenses. Na terça-feira [27 de setembro], a CEDEAO vai enviar ao Mali os Presidentes do Gana, do Togo e do Senegal para obter a libertação" dos soldados, disse Omar Aliou Touray.

"O tempo dos golpes de Estado acabou", reiterou.

Na quarta-feira, o presidente em exercício da CEDEAO e chefe de Estado da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, tinha advertido que a junta militar na Guiné-Conacri poderá enfrentar "pesadas sanções" se insistir em permanecer no poder por mais três anos.

Em julho, Embaló afirmou ter convencido a junta militar, que chegou ao poder através de um golpe de Estado, em setembro de 2021, a reduzir o período de transição do poder para os civis para 24 meses, mas autoridades nunca confirmaram e mantêm os 36 meses.

Desde 2020, a região da CEDEAO, que conta 15 países-membros, tem assistido a uma onda de golpes de Estado, nomeadamente no Mali, na Guiné-Conacri e no Burquina Faso e alarmada com o risco de contágio a outras nações da zona tem multiplicado mediações e pressões para o regresso do poder aos civis nestes países.

Leia Também: Mali. Junta militar assinala independência com golpistas da Guiné-Conacri

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório