Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2022
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 24º

Palestinianos contestam qualquer mudança da embaixada britânica em Israel

Os palestinianos defenderam hoje que qualquer decisão do Reino Unido de "alterar a atual localização" da embaixada britânica de Telavive para Jerusalém constituirá uma "flagrante violação do direito internacional".

Palestinianos contestam qualquer mudança da embaixada britânica em Israel

A nova primeira-ministra britânica, Liz Truss, que esteve em Nova Iorque a participar da Assembleia Geral da ONU, deu quarta-feira conta ao homólogo israelita, Yair Lapid, da intenção de Londres "rever a atual localização" da embaixada britânica em Israel, lê-se num comunicado divulgado hoje pelo gabinete do executivo de Londres.

Essa eventual mudança segue os passos da controversa decisão tomada em 2018 pelo ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que transferiu a embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém.

Na ocasião, Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, despertando a ira dos palestinianos que aspiram fazer da parte leste da cidade a capital do futuro Estado da Palestina.

"Agradeço à minha boa amiga, a primeira-ministra britânica, Liz Truss, que anunciou que está a ver com bons olhos a transferência da embaixada britânica para Jerusalém", escreveu hoje Lapid na rede social Twitter,

A possível decisão despertou forte insatisfação do lado palestiniano.

"É extremamente lamentável que a primeira-ministra Truss, na primeira vez que vai à ONU, esteja potencialmente a violar a lei internacional ao prometer uma 'revisão' da localização da embaixada britânica em Israel", disse o embaixador palestiniano no Reino Unido, Hossam Zomlot, também na rede social Twitter.

"Qualquer mudança ou alteração do local da embaixada seria uma violação flagrante da lei internacional", acrescentou o diplomata palestiniano.

Zomlot acrescentou que tal decisão "prejudicaria" a solução de dois Estados e "inflamaria uma situação já volátil" em Jerusalém e no resto dos territórios ocupados.

"Tal promessa é imoral, ilegal e irresponsável", acrescentou.

A grande maioria dos países tem-se abstido em transferir as respetivas embaixadas para Jerusalém, pois não reconhecem a legitimidade da ocupação israelita da sua parte oriental desde 1967.

Jerusalém abriga o local mais sagrado do judaísmo e o terceiro do islamismo.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, renovou o pedido de longa data de Washington por uma solução de dois Estados, mas não reverteu a controversa decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Leia Também: Direita israelita questiona primeiro-ministro por defender dois Estados

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório