Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2022
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 18º

Israel. Primeiro-ministro na Alemanha em campanha contra acordo com Irão

O primeiro-ministro israelita, Yair Lapid, viaja hoje para a Alemanha para uma visita, abordando com as autoridades germânicas o restabelecimento do pacto nuclear entre as potências mundiais e o Irão, algo a que Israel se opõe.

Israel. Primeiro-ministro na Alemanha em campanha contra acordo com Irão
Notícias ao Minuto

13:43 - 11/09/22 por Lusa

Mundo Nuclear

De acordo com a agência Efe, o objetivo da sua viagem é "coordenar posições sobre o tema nuclear" com a Alemanha, e "ultimar detalhes" para acordos "de cooperação estratégica, económica e de segurança" com Berlim, que se assinarão durante a sua visita, disse hoje na reunião do Gabinete de Ministros.

O chefe de Governo isralita tem previstas reuniões com o chanceler alemão, Olaf Scholz, com o presidente, Frank-Walter Steinmeier, e com a ministra dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock.

Nas últimas semanas, à medida que se aproximam as possibilidades de um regresso ao pacto nuclear com Teerão, Israel tem encetado esforços diplomáticos e intensificou a sua campanha a nível internacional.

Recentemente, enviou o ministro da Defesa, Benny Gantz, ou o chefe da agência de serviços secretos Mossad aos Estados Unidos, para dialogar com a administração do presidente Joe Biden.

Israel vê o Irão como o seu principal inimigo, opondo-se a qualquer pacto e assegurando que a república islâmica continua a ter o objetivo de obter armamento nuclear.

O país "está a levar a cabo uma bem-sucedida campanha diplomática para parar o acordo nuclear e evitar o levantamento das sanções contra o Irão", disse hoje o chefe do Governo de Israel.

Yair Lapid acrescentou que "ainda há um longo caminho a percorrer, mas já há sinais de alento", referindo-se à perda de força das negociações para o regresso ao pacto, nas últimas semanas.

O acordo nuclear foi assinado pelo Irão, Alemanha, França, Reino Unido, Rússia, China e Estados Unidos em 2015, e limitava o programa nuclear iraniano em troca do levantamento das sanções contra o país persa.

No entanto, foi abandonado em 2018, quando o então Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou o seu país do acordo de forma unilateral.

Com a mudança de presidência em Washington, o demorcrata Joe Biden quer voltar ao acordo, e as negociações entre as grandes potências - incluindo os Estados Unidos de forma indireta - e o Irão retomaram há 16 meses.

Uma proposta da União Europeia fez com que, recentemente, se acelerassem os passos para uma assinatura definiva, mas a França, Alemanha e o Reino Unido advertiram Teerão no sábado de que chegaram "ao limite" da sua "flexibilidade", alegando que o Irão "continua a desenvolver o seu programa nuclear além de qualquer justificação civil".

A república islâmica não cooperou com a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ao prosseguir a "escalada nuclear", alegaram.

O primeiro-ministro israelita agradeceu hoje a "forte oposição" dos três países europeus, assegurando que Israel "realizou um diálogo discreto e intensivo" com os europeus nos últimos meses.

Yair Lapid disse que Israel apresentou "informação de inteligência atualizada sobre a atividade iraniana" nas instalações nucleares do país.

Leia Também: Presidente de Israel felicita o rei Carlos III do Reino Unido

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório