Meteorologia

  • 01 OUTUBRO 2022
Tempo
25º
MIN 12º MÁX 27º

Tubarões e raias passam mais de 95% do tempo a 250 metros de profundidade

Investigadores analisaram o comportamento de 38 espécies de tubarões e raias e concluíram que a maioria passa mais de 95% do seu tempo a 250 metros de profundidade, onde a "probabilidade de interagir com barcos de pesca é maior".

Tubarões e raias passam mais de 95% do tempo a 250 metros de profundidade
Notícias ao Minuto

19:04 - 19/08/22 por Lusa

Mundo Estudo

Liderado pela Zoological Society of London (ZSL) e pela Universidade de Stanford, o estudo, publicado hoje na revista Science Advances, visava mapear os movimentos verticais de tubarões e de raias nos oceanos, numa tentativa de ajudar a melhorar a gestão e conservação destas espécies.

A investigação, que decorreu ao longo de três anos, contou com a colaboração de 171 investigadores de 135 instituições de 25 países, entre as quais o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO-InBIO).

Em declarações à Lusa, o investigador do CIBIO-InBIO Nuno Queiroz explicou hoje que um dos objetivos do estudo era compreender a "sobreposição vertical destas espécies com as atividades humanas e com o impacto das alterações climáticas", mas também compreender os comportamentos ao longo da coluna de água do oceano, que tem uma profundidade média de 3,5 quilómetros.

Reunindo dados de 989 transmissores de satélite referentes a duas décadas, os investigadores analisaram remotamente o comportamento de 38 espécies de tubarões e raias, desde o oceano Pacifico Norte ao oceano Indico e do Ártico ao Caribe.

Segundo o estudo, um dos movimentos verticais mais comuns parece coincidir com a migração vertical do oceano, isto é, ao amanhecer, os peixes pequenos e invertebrados -- seguidos dos seus predadores - começam a migrar da camada oceânica superior para as águas mais escuras e profundas e, à noite, voltam à superfície para se alimentar.

Os investigadores concluíram que cerca de um terço das espécies mergulham em profundidade (mais de 1.000 metros), onde a água é fria, muitas vezes com pouco oxigénio e a visibilidade é limitada.

Os registos dos transmissores mostram que os tubarões-brancos mergulham a uma profundidade superior a 1.200 metros, enquanto os tubarões-baleia atingiram 1.896 metros, "perto do limite de pressão de 2.000 metros dos atuais sensores".

A investigação identificou também sobreposição de espécies nos mesmos espaços verticais, com os tubarões-baleia, tubarões-tigre e raias-de-manta oceânica a terem comportamentos "surpreendentemente semelhantes", embora a sua história evolutiva seja diferente.

De acordo com Nuno Queiroz, algumas espécies podem variar a sua profundidade entre o dia e a noite, essencialmente na tentativa de "procurar presas, regular a temperatura corporal, reproduzir ou evitar predadores".

Apesar de realizarem mergulhos profundos, 26 das 38 espécies - nas quais se incluem o tubarão-de-pontas-brancas (Carcharhinus longimanus), tubarão-tigre, tubarão-martelo e tubarão-seda - passam mais de 95% do seu tempo nos primeiros 250 metros da coluna de água, "onde a probabilidade de interagir com barcos de pesca é maior".

"É surpreendente o elevado número de espécies que habita nos 250 metros, não estávamos à espera de que fossem tantas e passassem tanto tempo", salientou o investigador do CIBIO-InBIO.

Citado no comunicado do centro da Universidade do Porto, o principal coautor do artigo, David Curnick, da ZSL, salienta que a investigação sobre como os tubarões e raias usam a dimensão vertical do oceano é "fundamental não só para entender a maneira como vivem, mas também para perceber como é que as atividades humanas os afetam".

"Isso ajuda-nos a encontrar melhores maneiras de os proteger", refere.

Também a investigadora Samantha Andrzejaczek, da Universidade de Stanford, destaca que o estudo "fornece novos conhecimentos sobre os padrões globais de movimentos verticais dos tubarões e raias".

"É um passo importante para que espécies estão mais ameaçadas, mas também como o aquecimento e a desoxigenação dos oceanos podem influenciar a sua distribuição vertical", acrescenta.

Leia Também: 'Vlogger' chinesa investigada por cozinhar tubarão branco. Arrisca prisão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório