Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
30º
MIN 15º MÁX 31º

Sobe para seis o número de mortos em ataque russo em Kharkiv

O governador regional de Kharkiv, Oleg Sinegubov, elevou, esta quarta-feira, para seis o número de mortos num bombardeamento russo naquela cidade ucraniana, com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a denunciar um "ataque desprezível e cínico".

Sobe para seis o número de mortos em ataque russo em Kharkiv

"Infelizmente, o número de mortos e feridos como resultado do bombardeamento (...) aumentou: seis pessoas morreram, 16 ficaram feridas", escreveu Oleg Sinegubov no serviço de mensagens Telegram.

Ao início da noite, o presidente da câmara municipal local, Igor Terekhov, havia adiantado um balanço de pelo menos três mortos e 10 feridos.

"Há um grande incêndio (...) num prédio de habitação", acrescentou.

Por sua vez, o chefe de Estado ucraniano observou um prédio habitacional "totalmente destruído" no ataque.

"Um ataque desprezível e cínico que não tem justificação e demonstra o desamparo do agressor. Não vamos perdoar, vamos vingar-nos", escreveu Zelensky na rede social Telegram.

Localizada a cerca de 40 quilómetros da fronteira russa no nordeste da Ucrânia, a cidade Kharkiv tem sido atacada pelo Exército russo desde o início da invasão, mas as tropas de Moscovo nunca conseguiram tomar a cidade.

De acordo com as autoridades, centenas de civis morreram na região de Kharkiv desde 24 de fevereiro.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas de suas casas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de seis milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 16 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que está a responder com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

A ONU confirmou que 5.514 civis morreram e 7.698 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 174.º dia, sublinhando que os números reais serão muito superiores.

Leia Também: Guterres já está em Lviv para se reunir (amanhã) com Zelensky e Erdogan

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório