Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Novos confrontos em Conacri contra a junta militar no poder

Os subúrbios da capital da Guiné-Conacri foram hoje cenário de confrontos entre dezenas de manifestantes jovens e forças da ordem, na sequência de um apelo para protestos contra a junta militar no poder no país há um ano.

Novos confrontos em Conacri contra a junta militar no poder
Notícias ao Minuto

20:06 - 17/08/22 por Lusa

Mundo Conacri

Grupos de jovens, armados com pedras, enfrentaram a polícia na Route Le Prince, eixo que atravessa os subúrbios da capital e cenário frequente deste tipo de protestos, a que as forças de segurança responderam com gás lacrimogéneo.

A Frente Nacional de Defesa da Constituição (FNDC), coligação de partidos, sindicatos e organizações da sociedade civil, apelou a uma concentração pacífica contrariando a proibição de todas as manifestações decretada em 13 de maio pela junta militar e da decisão desta última de dissolver o coletivo na semana passada.

O FNDC patrocinou entre 2019 a 2021 várias ações de protesto contra um terceiro mandato presidencial de Alpha Condé (2010-2020), que viria a ser derrubado em 05 de setembro de 2021 pelos militares, chefiados pelo coronel Mamady Doumbouya.

A coligação é agora a principal personagem dos protestos contra a junta militar, com a oposição tradicional consideravelmente enfraquecida.

O FNDC, que exige o regresso à ordem constitucional e denuncia o confisco do poder pelos militares, patrocinou duas jornadas de manifestações nos passados dias 28 e 29 de julho, proibidas pelas autoridades e nas quais cinco pessoas morreram.

As autoridades mobilizaram polícias em grande número e, segundo a AFP, diferentes bairros nos subúrbios davam a aparência de uma cidade fantasma pela manhã, com muitas empresas e grandes espaços comerciais a optarem por fechar portas por receio de atos de violência.

Dois dos líderes do FNDC, Oumar Sylla, conhecido como Foniké Mangué, e Ibrahima Diallo estão detidos desde as manifestações no final de julho.

Estas novas tensões surgem quando a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) anunciou no domingo a visita a Conacri do seu mediador para a crise guineense, o ex-Pesidente do Benim Thomas Boni Yayi.

O coronel Mamady Doumbouya, empossado Presidente, prometeu devolver o poder a civis eleitos dentro de três anos, mas a oposição e a CEDEAO querem uma transição mais curta.

Leia Também: MP da Guiné-Conacri lança processo contra o ex-primeiro-ministro Fofana

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório