Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

Tribunal de Donetsk vai julgar cinco alegados mercenários estrangeiros

A autoproclamada República popular de Donetsk (DNR), leste da Ucrânia, anunciou hoje que vai julgar cinco alegados mercenários estrangeiros (três britânicos, um sueco e um croata), que poderão ser condenados à morte.

Tribunal de Donetsk vai julgar cinco alegados mercenários estrangeiros
Notícias ao Minuto

15:33 - 12/08/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"O julgamento vai decorrer na segunda-feira, 15 de agosto, e decorrerá à porta-fechada", afirmou um porta-voz do Supremo tribunal à agência noticiosa russa Interfax.

Os cinco estrangeiros são acusados, entre outros crimes, de participação em combate na qualidade de mercenários e de cometerem ações destinadas a tomar o poder e reverter a ordem constitucional.

As autoridades russófonas locais já apresentaram no início de julho diversas atas de acusação dirigidas a dois dos britânicos, Dylan Healey e Andrew Hill, por lutarem nas fileiras do exército ucraniano.

Enquanto Hill, veterano da guerra do Afeganistão, se filiou na Legião Estrangeira, Healey é um voluntário envolvido em atividades humanitárias na Ucrânia, segundo garantiu a organização britânica Presidium Nework.

Há pouco mais de um mês, o Conselho Popular e Legislativo dos separatistas de Donetsk, região do Donbas, repôs a aplicação da pena de morte após anular a moratória em vigor.

"A possibilidade de aplicação deste medida excecional, a pena de morte, servirá como um fator de contenção à comissão de crimes especialmente graves, em particular, crimes contra a humanidade", informou o Conselho Legislativo.

Em junho, o Supremo tribunal de Donetk já condenou à morte os prisioneiros britânicos Shau Pinner e Aiden Aslin, e o marroquino Braguim Saadun, acusados de serem mercenários ao serviço do exército ucraniano.

A pena capital não pode ser aplicada contra os detidos pelo facto de os advogados de defesa terem recorrido da sentença.

Segundo as autoridades russófonas de Donetsk, o cidadão britânico Paul Urey, capturado em abril, morrer numa prisão devido "a diversas doenças crónicas".

Esta semana o ministério da Defesa russo informou que 21 mercenários norte-americanos, 99 polacos e 36 canadianos, entre outros, já foram mortos desde o início da campanha militar na Ucrânia.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas de suas casas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de seis milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 16 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

A ONU confirmou que 5.401 civis morreram e 7.466 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 170.º dia, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: AO MINUTO: "Também são possíveis acidentes" nucleares na UE, diz Medvedev

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório