Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 16º MÁX 28º

Médico diz ter confrontado infetado com Monkeypox no metro. Homem nega

Um médico diz que confrontou um homem "no pico do seu contágio" por Monkeypox no metro de Madrid, tendo partilhado imagens do mesmo nas redes sociais. O alegado infetado negou ter o vírus e ter sido abordado.

Médico diz ter confrontado infetado com Monkeypox no metro. Homem nega

Um homem, que se tornou viral após um médico ter revelado nas redes sociais que o confrontou por ter Monkeypox, negou, esta quarta-feira, estar infetado com o vírus e ter sido abordado pelo médico. O caso aconteceu há cerca de duas semanas, a 15 de julho, pelas 6h20, no metro de Madrid.

Segundo contou o médico, Arturo Henriques, o homem entrou numa carruagem na estação de metro de Legazpi “completamente cheio de feridas, da cabeça aos pés, incluindo as mãos”. Estava “no pico do seu contágio”, escreveu na rede social Twitter, que, entretanto, colocou como privada. 

O médico acrescentou ainda que abordou o homem para lhe dizer que “as lesões que tem em todo o corpo são as mais contagiosas” e que o homem reagiu com indiferença. “Eu tenho isto, mas o meu médico não me disse que tinha de ficar em casa, apenas que tinha de usar uma máscara”, contou.

No entanto, o homem, identificado como M.A.R.M., negou as alegações do médico. Segundo o próprio, em declarações ao jornal espanhol 20 minutos, não foi abordado por ninguém na sua viagem de metro e nem esteve infetado com Monkeypox. “Não tenho Monkeypox e não falei com ele em momento algum”, assegurou.

M.A.R.M. sofre de neurofibromatose, uma doença hereditária e que lhe provoca lesões na pele. O homem também diz ser “impossível” que a fotografia, na qual surge em pé, tenha sido tirada na estação de Legazpi, às 6h20. “É impossível porque eu apanho o primeiro metro que sai de Villaverde Alto e vou sempre sentar-me, por isso, ele não podia ter tirado uma fotografia minha de pé às 6h20”, esclareceu.

Na publicação, Arturo Henriques contou que também os restantes passageiros no metro agiram indiferentes. Uma senhora, ao lado do homem, terá dito: “Como posso ficar infetada se não sou gay?”

Questionado pelo El Mundo, o médico, que trabalha numa clínica privada em Madrid, assegura que abordou o homem no metro e que foi o próprio que lhe confirmou que estava infetado com Monkeypox. 

“Eu só queria ser um bom cidadão e agora estou a ser atacado”, disse, acrescentando que o caso será tratado pelo seu advogado.

Leia Também: Monkeypox ou Varicela? Aprenda a distinguir os sintomas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório