Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

Empresas chinesas acatam sanções contra Rússia por temerem danos

Uma análise do Peterson Institute for International Economics (PIIE) indica que, apesar do apoio tácito prestado por Pequim a Moscovo, os exportadores chineses parecem reconhecer os riscos de violar as sanções impostas contra a Rússia pelo Ocidente.

 Empresas chinesas acatam sanções contra Rússia por temerem danos

No relatório, o grupo de reflexão (think tank), com sede em Washington, apontou que as empresas chinesas temem ser alvos colaterais e perder o acesso a tecnologia, bens e moeda dos países ocidentais, caso violem a proibição de exportar bens sensíveis para a Rússia, nomeadamente componentes e alta tecnologia, como semicondutores, considerados cruciais para os esforços de guerra.

Entre janeiro e junho, as exportações da China para a Rússia caíram 38%, face ao semestre anterior. Em comparação, as vendas para a Rússia entre os países que impuseram sanções contra Moscovo - sobretudo as nações europeias e os Estados Unidos -- caíram, em média, 60%.

A análise do PIIE indicou que o declínio das exportações chinesas para a Rússia está em linha com os dados de outros países que não impuseram sanções.

Em dois casos proeminentes, a China UnionPay, o sistema de pagamento chinês, equivalente aos serviços Visa ou Mastercard, recusou-se a trabalhar com bancos russos sancionados, e a tecnológica chinesa Huawei reduziu as operações no país.

Isto sucede apesar de a China recusar condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia e criticar a imposição de sanções contra Moscovo. Pequim considera a aliança com o país vizinho fundamental para contrapor a ordem democrática liberal, liderada pelos EUA.

Na semana passada, Washington puniu já cinco empresas chinesas por violarem as sanções contra a Rússia, adicionando-as à 'lista negra' do Departamento de Comércio, o que interdita o acesso a alta tecnologia e componentes norte-americanos.

As autoridades disseram que estas empresas continuaram a fornecer apoio à base industrial militar e de Defesa da Rússia, em operações "contrárias aos interesses de segurança nacional e de política externa dos EUA".

As compras à Rússia pela China aumentaram, no entanto, para níveis recorde. Quase 80% dessas importações são petróleo e gás. A construção de um gasoduto de 962 quilómetros entre os dois países está a progredir e uma ponte fronteiriça foi inaugurada no mês passado.

No entanto, as restrições impostas à Rússia no acesso a componentes e alta tecnologia têm um efeito "cumulativo", referiu o PIIE.

"A falta de um único componente pequeno pode encerrar uma linha de montagem", descreveu o think tank, numa altura em que algumas das reservas de equipamento militar da Rússia se estão a esgotar.

O PIIE considerou, porém, que, "por si só, [as sanções] não podem forçar o fim da guerra".

"Historicamente, apenas uma em cada três sanções projetadas para alcançar grandes mudanças políticas ou enfraquecer um alvo militarmente alcançam um sucesso moderado", notou.

Leia Também: AO MINUTO: Donetsk apela à fuga; Altos custos após conquista de Lugansk

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório