Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 31º

ONU apela à redução para metade das 1,3 milhões de mortes em acidentes

A primeira reunião de alto nível da Assembleia Geral da ONU sobre segurança rodoviária apelou sexta-feira à redução para metade dos quase 1,3 milhões de mortes e 50 milhões de feridos anualmente em acidentes de trânsito até final da década.

ONU apela à redução para metade das 1,3 milhões de mortes em acidentes
Notícias ao Minuto

06:23 - 02/07/22 por Lusa

Mundo Estrada

A declaração política, adotada por consenso no último dia da sessão de dois dias, salienta que as mortes e lesões devido a acidentes rodoviários além do sofrimento generalizado custam aos países uma média de 3% a 5% de seu produto interno bruto anual.

No documento destaca-se a necessidade de "tornar a segurança rodoviária uma prioridade urgente de saúde pública e desenvolvimento".

Os delegados instaram todos os países a comprometerem-se a intensificar os esforços e estabelecer metas nacionais para reduzir as mortes e ferimentos graves, conforme exigido no Plano Global para a Década de Ação para a Segurança no Trânsito 2021-2030.

Na sessão de abertura, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que os acidentes rodoviários são a principal causa de morte globalmente de jovens de 05 a 29 anos, e que nove em cada dez vítimas estão em países de baixo e médio rendimento.

"As mortes no trânsito estão intimamente ligadas à infraestrutura precária, urbanização não planeada, proteção social e sistemas de saúde fracos, alfabetização limitada em segurança no trânsito e desigualdades persistentes dentro e entre países", acrescentou.

"Ao mesmo tempo, estradas inseguras são um obstáculo fundamental para o desenvolvimento", frisou.

Guterres pediu "ações mais ambiciosas e urgentes para reduzir os maiores riscos -- como excesso de velocidade, dirigir sob a influência de álcool ou qualquer substância ou droga psicoativa, falta de uso de cintos de segurança, capacetes e sistemas de retenção para crianças, infraestrutura rodoviária insegura e veículos inseguros, falta de segurança para pedestres e aplicação inadequada das leis de trânsito".

Nesse sentido, o secretário-geral da ONU defendeu mais gastos para melhorar a infraestrutura e aplicar uma "mobilidade mais limpa e planeamento urbano mais verde, especialmente em países de baixo e médio rendimento".

O Fundo de Segurança Rodoviária da ONU, criado em 2018 para ajudar a reduzir mortes e lesões nas estradas em países de baixo e médio rendimento, realizou seu primeiro evento de doação na quinta-feira e disse que 16 países e doadores do setor privado prometeram 15 milhões de dólares (cerca de 14 milhões de euros).

O fundo financia 25 projetos de alto impacto em 30 países e cinco regiões ao redor do mundo, mas é necessário mais dinheiro.

Jean Todt, enviado especial da ONU para a segurança rodoviária, disse que "mais financiamento pode e deve ser canalizado para soluções de segurança no trânsito para impedir a perda sem sentido de vidas que ainda ocorre diariamente nas estradas".

O presidente da Assembleia Geral, Abdulla Shahid, disse na sexta-feira que "na maioria dos países, os investimentos em segurança rodoviária continuam subfinanciados".

Alguns países não têm "os recursos ou o conhecimento para projetar estradas ou veículos mais seguros, ou para inculcar um comportamento seguro no uso das estradas", considerou, pelo que a declaração pede a todos os utilizadores de estradas do mundo contribuam com conhecimentos sobre segurança no trânsito.

Leia Também: Número de vítimas de acidente rodoviário no Paquistão sobe para 22

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório