Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 32º

Rússia mantém prisioneiros civis ucranianos incomunicáveis, diz ONG

A Organização Mundial Contra a Tortura (OMCT) denunciou, esta segunda-feira, que as forças militares russas mantêm os prisioneiros civis ucranianos isolados e sem o direito de contactar as suas famílias e advogados.

Rússia mantém prisioneiros civis ucranianos incomunicáveis, diz ONG

Entre fevereiro e abril de 2022, foram verificados os casos de cerca de 30 civis ucranianos sequestrados ou detidos pelo Exército russo, muitos deles por razões desconhecidas, o que leva a pensar que são detenções arbitrárias, alertou a organização não governamental (ONG).

De acordo com a OMCT, as autoridades russas negam que as vítimas estejam detidas e impedidas de comunicar com as suas famílias.

Também os advogados estão proibidos de se reunir com os prisioneiros para prestar assistência jurídica e estão expostos a fortes pressões das autoridades russas, apontou a ONG.

As famílias têm recebido informações sobre os detidos através da televisão estatal russa e dos prisioneiros de guerra libertados em trocas com a Ucrânia.

Até ao momento, os familiares de 29 vítimas não receberam nenhuma informação oficial sobre o seu paradeiro, apesar de terem entrado em contacto com as agências estatais russas e ucranianas, segundo a OMCT.

A irmã de um dos civis detidos na região de Kiev disse que, apesar de conhecer a localização do irmão, não lhe pode escrever cartas nem saber o seu estado de saúde.

"Pedimos ajuda em todo o lado, mas a Rússia não confirma a sua detenção", assinalou a mulher à OMCT.

O número de vítimas civis na guerra da Ucrânia continuar a aumentar.

De acordo com dados atualizados do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), um total de 4.731 mortes de civis ucranianos e 5.900 feridos foram documentados até ao momento.

A guerra na Ucrânia, iniciada com a invasão russa de 24 de fevereiro, entrou esta segunda-feira no 124.º dia.

Desconhece-se o número de vítimas, mas a ONU confirmou a morte de mais de 4.600 civis, alertando, contudo, que o balanço real será consideravelmente superior por não ter acesso a muitas zonas do país.

Leia Também: G7 condena "abominável" ataque russo contra centro comercial ucraniano

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório