Meteorologia

  • 02 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 30º

Autoridades do Maláui e ONG anunciam transferência de 250 elefantes

As autoridades do Maláui e duas organizações não-governamentais (ONG) de conservação da natureza anunciaram hoje a transferência de 250 elefantes do Parque Nacional de Liwonde, no sul, onde as populações aumentaram, graças à perseguição à caça furtiva, para Kasungu.

Autoridades do Maláui e ONG anunciam transferência de 250 elefantes
Notícias ao Minuto

16:21 - 21/06/22 por Lusa

Mundo ONG

Este movimento "faz parte de um programa nacional para manter os 'habitats' dos parques nacionais do Maláui em boas condições, estabelecer populações viáveis ??de elefantes e garantir a prosperidade das comunidades locais, que vivem à volta de áreas naturais protegidas", explicou o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW), uma das organizações responsáveis ??pela movimentação dos animais.

A transferência para a região centro vai decorrer de 27 a 29 de julho, e conta ainda com a colaboração da African Parks, responsável pela gestão do Parque Nacional de Liwonde.

"Este é outro marco importante para o Maláui, que se tornou um modelo de excelência para a reabilitação de importantes áreas de conservação", disse Brighton Kumchedwa, diretor do Departamento de Parques Nacionais e Vida Selvagem do Maláui (DNPW).

Além dos elefantes, as instituições também mudarão para o Parque Nacional Kasungu exemplares de javali, búfalo-africano, impala e outros antílopes.

Esses animais serão transportados por cerca de 350 quilómetros de estrada.

Em 2015, as autoridades ambientais do Maláui fizeram uma parceria com a African Parks para a gestão conjunta do Parque Nacional de Liwonde, conseguindo praticamente eliminar a caça furtiva da zona.

Isso permitiu o crescimento das populações de numerosos animais, bem como a reintrodução de chitas, leões, rinocerontes negros e cães selvagens.

O número de elefantes aumentou tanto que agora estão a pressionar enormemente os recursos naturais do parque nacional.

Além disso, em algumas ocasiões, os elefantes alimentam-se nas roças das comunidades, que vivem à volta da zona protegida, gerando situações de conflito.

As populações de elefantes da savana africana diminuíram 60% nos últimos 50 anos, de acordo com dados da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), levando a organização a declará-los ameaçados de extinção.

As principais ameaças são a perda de seus 'habitats' e a caça furtiva, alimentada pela procura de marfim, principalmente de alguns países asiáticos.

As presas dos animais são vendidas para serem transformadas em esculturas, pulseiras, colares ou outros ornamentos.

Leia Também: Detido na Zâmbia cidadão chinês procurado por racismo no Malaui

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório