Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
30º
MIN 15º MÁX 31º

Transgénero. Organização mundial terá novas recomendações no final do ano

Grupo defende que início dos tratamentos tem impacto na saúde mental e também na redução do número de suicídios.

Transgénero. Organização mundial terá novas recomendações no final do ano
Notícias ao Minuto

16:41 - 15/06/22 por Notícias ao Minuto

Mundo LGBTI+

A Associação Profissional Mundial para Saúde Transgénero (WPATH) vai emitir, no final do ano, novas recomendações para os procedimentos de mudança de sexo.

De acordo com a agência Associated Press (AP), que teve acesso ao documento, estas alterações serão, sobretudo, ao nível das cirurgias e medicação hormonal.

A toma de hormonas será recomendada, de acordo com o documento citado, a partir dos 14 anos, dois anos mais cedo do que o grupo recomenda atualmente. Também as cirurgias poderão vir a ser recomendas um ano mais cedo, começando aos 15 ou 17 anos, dependendo do tipo de operação.

As novas recomendações incluem ainda a mastectomia (remoção de peito) a partir dos 15 anos, o que, de acordo com as recomendações atuais só se pode realizar um ano depois de começar a tomar hormonas, ou seja, a partir dos 17 anos. Ainda no âmbito das cirurgias, o grupo recomendará que a maior arte das operações de cirurgia de redesignação sexual comecem a partir dos 17 anos, um ano antes daquilo que está recomendado.

O grupo adverte para potenciais riscos, ressalvando, no entanto, que pode não ser ético e tornar-se perigoso reter os tratamentos.

Apesar de o grupo de trabalho ressalvar que ainda não há muitos estudos sobre as situações em que uma pessoa não se identifica com o sexo com que foi registada, explicam que, na última década, o número de estudos que sugerem que os tratamentos podem melhorar a saúde mental e o bem-estar emocional, assim como reduzir o número de suicídios, tem vindo a aumentar.

De acordo com as informações citadas pela AP, quanto mais cedo os tratamentos para a mudança de sexo começarem, mais hipóteses os adolescentes têm de experienciar a puberdade tal como se identificam.

A idade não será, no entanto, o único fator - a maturidade, a autorização dos pais, duração do desconforto com o género e uma avaliação psicológica serão também situações a ser tidas em conta.

Apesar de estas recomendações também terem diretrizes direcionadas para os adolescentes, as maiores alterações são vistas no público mais jovem - porque, explicaram os especialistas à AP, tem havido um aumento de crianças referenciadas para esta mudança, assim como esforços o políticos para restringir os tratamentos.

Leia Também: Marcha de Orgulho LGBTQ+ em Banguecoque. A primeira em quase 16 anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório