Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 22º

Bolsonaro apela aos 'valores cristãos' para conquistar o voto evangélico

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que pretende renovar o mandato nas eleições de outubro, pediu hoje a centenas de bispos evangélicos que usem sua palavra para alertar sobre os 'valores cristãos' contra uma alegada ameaça da esquerda.

Bolsonaro apela aos 'valores cristãos' para conquistar o voto evangélico
Notícias ao Minuto

18:14 - 27/05/22 por Lusa

Mundo Brasil

"Vocês são importantes, a política faz parte da nossa vida e milhões de pessoas ouvem suas palavras", disse Bolsonaro a centenas de bispos reunidos numa convenção das Assembleias de Deus do Ministério Madureira, formadas por igrejas evangélicas que, nos últimos anos, aumentaram sua influência em todo o Brasil.

No entanto, apesar da expansão dessas igrejas, nas quais Bolsonaro estabeleceu parte da sua base política, as últimas sondagens refletem um avanço do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre eleitores evangélicos, e já aparece empatado tecnicamente com o Presidente brasileiro na preferência deste eleitorado.

Uma sondagem divulgada na quinta-feira pelo Datafolha indicou que Bolsonaro perdeu terreno e conta com 39% de apoio entre os evangélicos, contra 36% deste público que declarou votar em Lula da Silva.

Nesse contexto, Bolsonaro exortou os pastores a defenderem "valores cristãos" contra alegadas "ameaças" da esquerda.

"Essas pessoas que agora se apresentam como solução não respeitam a família, querem sexualizar as crianças, dizem que vão colocar os militares e os pastores em seus devidos lugares, dizem que o aborto é como arrancar um dente e querem calar [nossa] boca nas redes sociais", disse Bolsonaro.

"Sempre espero coragem, sabedoria e força de Deus", acrescentou o Presidente brasileiro, que se dirigiu aos pastores afirmando que eles devem usar o "poder de sua palavra" para alegadamente alertar "onde o Brasil pode chegar" em caso de vitória de Lula da Silva, que é o principal líder do Partido dos Trabalhadores (PT).

O ex-presidente brasileiro, por sua vez, adotou uma postura oposta ao afirmar que não irá misturar política com religião.

"Não vou misturar religião com política. Cada um segue a fé que quiser. O governante não tem que se meter nisso, nem ficar usando padre ou pastor. O governante tem que deixar as pessoas cuidarem da sua fé com paz e respeito, sem usar o nome de Deus em vão", escreveu Lula da Silva na rede social Twitter.

Bolsonaro também admitiu em seu discurso na convenção das Assembleias de Deus do Ministério Madureira que o Brasil "tem muitos problemas", mas rejeitou assumir culpas e atribuiu a responsabilidade sobre a inflação, que supera 12% ao ano, e o alto índice de desemprego, próximo a 13%, aos efeitos da pandemia de covid-19 e a invasão russa na Ucrânia.

O Presidente brasileiro também garantiu que seu Governo trabalha para minimizar esses impactos, mas disse que só pode fazer "o que é possível", porque "devemos deixar o impossível nas mãos de Deus."

Leia Também: Presidente do Brasil promete recriar Ministério da Indústria e Comércio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório