Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

PAIGC autoriza comissão a avaliar participação no futuro Governo

O 'bureau' político do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) autorizou a comissão permanente a avaliar a participação do partido num futuro Governo de iniciativa presidencial na Guiné-Bissau.

PAIGC autoriza comissão a avaliar participação no futuro Governo

A decisão foi tomada na reunião extraordinária daquele órgão, realizada quinta-feira, na qual participaram 52 dos 91 membros convocados.

Nas resoluções, distribuídas à imprensa, o 'bureau' político do PAIGC dá "anuência à comissão permanente para avaliar a existência ou não de condições para eventual participação no Governo, que estará incumbido prioritariamente do processo eleitoral e do controlo dentro dos limites possíveis, dos princípios e valores que o PAIGC defende".

O 'bureau' político refere também que tomou "boa nota dos trabalhos" da comissão permanente e do presidente do partido, Domingos Simões Pereira, pela "forma competente e responsável como têm acompanhado o processo político em curso".

O órgão de coordenação política do PAIGC corroborou também a "avaliação feita pela comissão permanente" de o partido "acompanhar todo o processo de preparação da próxima legislatura, nomeadamente a realização das próximas eleições legislativas".

O 'bureau' político pediu também a todas as estruturas do partido para que a decisão seja divulgada e explicada às bases para "permitir o melhor esclarecimento e evitar aproveitamentos políticos".

Aquele órgão encorajou também o comandante Manuel dos Santos, "Manecas", a dar "continuidade, a nível da comissão permanente, à sua participação na busca de soluções para o quadro político vigente".

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, dissolveu a semana passada a Assembleia Nacional Popular e marcou eleições legislativas antecipadas para 18 de dezembro.

Na sequência da dissolução do parlamento, o chefe de Estado reconduziu no cargo o primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam, e o vice-primeiro-ministro, Soares Sambu, mas decidiu fazer um Governo de iniciativa presidencial, para organizar as legislativas.

O PAIGC venceu as legislativas, realizadas em março de 2019, mas o seu Governo foi demitido após a tomada de posse de Umaro Sissoco Embaló, que nomeou um outro, composto por elementos que apoiaram a sua candidatura, nomeadamente Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Partido da Renovação Social (PRS) e Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB).

Leia Também: Guiné-Bissau é o país que tem maior número de deputados em África

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório