Meteorologia

  • 03 JULHO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 30º

Anarquistas ucranianos juntam-se à resistência contra Putin

Movimento manteve-se de fora do conflito até agora, devido à natureza anti-Estado que define o anarquismo.

Anarquistas ucranianos juntam-se à resistência contra Putin
Notícias ao Minuto

10:57 - 26/05/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Ucrânia/Rússia

Apesar de se opor a todas as estruturas do Estado ucraniano, à semelhança de quase todos os outros partidos e movimentos anarquistas espalhados pelo mundo, os anarquistas ucranianos puseram a grande diferença de parte e anunciaram o seu apoio ao governo.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, ativistas anarquistas garantiram que vão lutar "para proteger a sociedade mais ou menos livre que existe na Ucrânia", não deixando de alertar para a proliferação de grupos neonazis e a abolição de alguns partidos como fatores negativos no país.

Ainda assim, a defesa do território ucraniano é mais importante, e o movimento anarquista criou uma base em Kyiv para enviar mantimentos para a linha da frente e para acolher anarquistas do resto do mundo que queiram lutar.

"O terror de Putin está a acontecer na Ucrânia e é indiscriminado. Está a acontecer contra todas as partes da população, especialmente nas partes russófonas que o Putin supostamente vinha libertar", apontou um ativista.

O  mesmo movimento considerou que o regime de Putin é "ultraconservador, uma ditadura de extrema-direita que reprime anarquistas, a imprensa livre, as redes LGBT" e assusta "as iniciativas mais banais e locais, como ativistas ambientais".

Segundo contou o porta-voz do movimento ao jornal, Serhiy Movchan, cerca de 100 anarquistas foram lutar para a linha da frente, e cerca de 20 anarquistas de outros países juntaram-se à luta, incluindo um da Rússia. Há também anarquistas a apoiar as infraestruturas médicas no leste da Ucrânia.

"Vemos o conflito entre a Ucrânia e a Rússia como um conflito entre um estado mais ou menos democrático, e um estado totalitário", definiram.

Os anarquistas já existiram em maior número na Ucrânia, especialmente após o colapso do império russo e do czar Nicolau II. Entre 1917 e 1921, os anarquistas liderados por Nestor Makhno conseguiram transmitir a sua mensagem a algumas comunas autogovernadas no sul e leste da Ucrânia, mas o movimento acabou por morrer às mãos dos bolcheviques.

No entanto, o impacto histórico da União Soviética, do Holodomor e a propaganda da direita em colar toda a esquerda ao passado soviético, têm dificultado o crescimento do movimento anarquista.

Os anarquistas queixam-se também da forma como Putin criou partidos pró-Rússia em vários países, incluindo na Ucrânia, e se catalogou como antifascista, considerando que foi uma forma de manchar a imagem da esquerda, apesar dos partidos e instituições pró-Kremlin atacarem direitos humanos e a liberdade de imprensa.

A guerra na Ucrânia já fez quase 4.000 mortos entre a população civil, segundo os dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. No entanto, a organização alerta que o número de mortos poderá ser muito superior, dadas as dificuldades em contabilizar as baixas em cidades tomadas e sitiadas pela Rússia.

Leia Também: AO MINUTO: Mais de 40 cidades atacadas; EUA rejeitam oferta russa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório