Meteorologia

  • 07 JULHO 2022
Tempo
38º
MIN 21º MÁX 38º

"Se a Ucrânia falhar, a Eslováquia será a próxima", diz primeiro-ministro

O primeiro-ministro eslovaco emitiu um aviso severo sobre o futuro do seu país, caso a Rússia vença a Ucrânia.

"Se a Ucrânia falhar, a Eslováquia será a próxima", diz primeiro-ministro
Notícias ao Minuto

11:51 - 25/05/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Ucrânia/Rússia

O primeiro-ministro eslovaco emitiu um aviso severo sobre o futuro do seu país, no Fórum Económico de Davos, esta quarta-feira. "Se a Ucrânia falhar, a Eslováquia será a próxima", disse Eduard Heger a outros líderes.

"Eles (a Ucrânia) têm de ganhar", reiterou. 

Heger continuou a criticar os membros da União Europeia por se manterem dependentes da energia russa e exortou os líderes a "deixarem de comprometer" os seus princípios quando lidam com a Rússia.

"Basicamente trocámos os nossos valores por gás e petróleo baratos durante demasiado tempo", apontou, citado pelo The Guardian. "O compromisso com Putin causou uma guerra na Ucrânia. Uma guerra agressiva, as pessoas estão a morrer". 

Os ucranianos estão "a derramar o seu próprio sangue pelos nossos valores, por isso não temos de o fazer", disse Heger, que pediu ao bloco que trabalhasse com a Ucrânia e os Balcãs Ocidentais para que apresentassem "regras padronizadas para que pudessem aderir à UE".

A Ucrânia tem, nos últimos anos, aprofundado os seus laços económicos e políticos com a UE, e Kyiv tem manifestado o desejo de aderir. As nações dos Balcãs Ocidentais têm também procurado a adesão há vários anos.

A adesão demora geralmente vários anos, uma vez que as nações devem satisfazer critérios rigorosos de adesão antes de se envolverem em negociações.

Heger indicou que o seu país está perto de não precisar de abastecimentos russos, mas salientou que para isso precisa do apoio da União Europeia.

"Somos um país do interior e precisamos da mesma fiabilidade que os parceiros à nossa volta", declarou a um painel, enquanto orador no Fórum Económico Mundial de Davos.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A ONU confirmou esta quarta-feira que 3.974 civis morreram e 4.654 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 91.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Leia Também: Ucrânia. Zelensky denuncia falta de unidade entre países ocidentais

[Notícia atualizada às 16h28]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório